Análise: Momodora: Reverie Under the Moonlight mostra a capacidade do desenvolvedor BR

O mercado de games sempre nos fascinou ao longo dos anos e sempre endeusamos os grandes títulos holywoodianos que vem de fora por sua alta qualidade. Porém, a cada ano que passa, os desenvolvedores brasileiros melhoram cada vez mais na qualidade final de seus jogos e isso acontece com o quarto jogo da franquia Momodora: Reverie Under the Moonlight.

Em momento algum tentando competir com os grandes lançamentos, Momodora: Reverie Under the Moonlight foca em entregar lindos gráficos no estilo 16 bits através de pixleart. Embora seja um jogo relativamente pequeno, ele surpreende pela qualidade da arte ao longo das fases ao apresentar partes aquáticas, florestas, calabouços, cidades amaldiçoadas e muito mais.

Momodora: Reverie Under the Moonlight_20170326232112

O seu estilo é o clássico e amado Metroidvania. Para quem não conhece ele, é uma mistura do estilo originalmente cunhado por Metroid e aperfeiçoado por Castlevania: Symphony of the night. Nele, você terá que desbravar o mapa que são divididos em “caixas”. Após chegar ao limite do mapa, você conseguirá novas habilidades e poderes como se transformar em um gato (?!) que dará acesso a lugares mais estreitos, ou então o desvio no ar que lhe dará mais agilidade e poderá alcançar lugares mais longes.

Algo que se destaca muito é como o gameplay é perfeitamente polido. Ao mesmo tempo que ele é simples, com ataque normal, pulo, ataque a distancia e esquiva, tudo isso funciona perfeitamente bem. Nenhuma vez eu tive qualquer problema ligado a bug´s  ou então por controles mal feitos. Na realidade quando eu tentava forçar os controles e criar estratégias mirabolantes contra os inimigos, eu sempre tinha sucesso. E por falar em inimigos, achei a variedade deles muito boa e cada um tem seu padrão de ataque bem definido e desafiador. Eu dominei o padrão de cada um e como ataca-los após muita observação e morte. Vale dizer que você irá morrer bastante ao joga-lo.

Por fim, mas não menos importante, o jogo possui uma história simples que não atrapalha. O foco do jogo é sua ótima jogabilidade, porém, não machuca saber que a terra onde você mora está passando por um período nefasto devido a uma maldição que assola a terra. Cabe a você, uma sacerdotisa, e sua arma, uma folha mágica (sim, uma folha), encontrar a rainha e colocar um fim a essa maldição. Porém, com o passar do jogo, verá que a maldição é muito pior do que imaginou e descobre que até a realeza foi afetada. Ao longo desta jornada, você encontrará alguns NPC´s que lhe darão um pouco mais de informação sobre a maldição e como eles foram afetados por ela.

Momodora: Reverie Under the Moonlight_20170326235149

Como podem ver, o jogo é merecedor de muitos elogios e tudo o que ele se propõe a fazer, ele faz muito bem feito. O “problema” de Momodora: Reverie Under the Moonlight é que ele é muito curto. Você precisará não mais do que 4 horas para explorar todo o mapa e finalizar o jogo. Muito felizmente seu preço é bem baixo, o que acaba fazendo valer muito a pena sua compra.

notas

Publicado
Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.

One thought on “Análise: Momodora: Reverie Under the Moonlight mostra a capacidade do desenvolvedor BR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *