Opinião: Microsoft precisa fazer sua melhor E3 em 2017

Recentemente a internet ferveu com as mais novas informações do Xbox Scorpio divulgadas pela Microsoft. Todos os sites brasileiros e estrangeiros bombaram com matérias sobre o quão poderoso será o “novo console” da Microsoft. Para tal, fizemos até mesmo uma matéria mostrando uma comparação direta do poderio do Xbox Scorpio com o do PS4 Pro, confira aqui. Entretanto, o que ainda me deixa inquieto quanto a estratégia da empresa americana é: precisamos mesmo de um novo console tão potente enquanto que o seu carro-chefe atual sequer teve uma quantidade significativa de jogos que fizessem justiça à geração atual?

Nosso redator Arthur Franco escreveu recentemente uma matéria muito interessante sobre as razões pelas quais ele sugere que uma pessoa que está comprando um console de nova geração deve escolher o PS4, clique aqui. Eu concordo com ele, pois basicamente o que falta para a Microsoft depois de 3 anos da atual leva de consoles é justamente títulos de peso que façam valer a pena a compra de seu aparelho. A verdade é que, gostando ou não da Sony, o mercado já deixou claro desde muito tempo atrás que o que vende console e dá liderança na disputa no ramo dos jogos eletrônicos é o leque de opção de jogos. Não é por acaso que o PS4 lidera com absurda folga o ranking de venda de consoles.

Vendas Totais em Março/2017
Vendas Totais em Março/2017

O Project Scorpio foi anunciado na E3 de 2016 e de lá para cá parece que a Microsoft parou no tempo. Para piorar, Scalebound, um dos títulos mais aguardados do Xbox One foi repentinamente cancelado. De uma maneira geral os anúncios da gigante americana eram sempre sobre o futuro console, à época sem data, e novos joysticks. Scorpio vinha sendo tratado sem muita informação sólida e com muita especulação. Nesse meio tempo, a concorrente japonesa seguiu adiante firme e forte. O PS4 ganhou o VR, sem necessidade de upgrade de hardware e com alta aceitação do mercado, além da versão PRO que, apesar de ser bem mais fraca que o Scorpio e no geral ainda não justificar sua compra, já está há cinco meses no mercado ganhando público e levando dinheiro para o bolso da Sony.

A pesquisa ‘Game Brasil 2017’ realizada pela ESPM, Sioux e Blend, atestou algo muito interessante. O Xbox 360 é o videogame que mais está presente nos lares dos brasileiros. Inclusive, até mesmo o PS3 e PS2 ainda figuram na frente do PS4 e do Xbox One. Apesar da nova geração não estar em peso ainda entre nós, o mercado de games no Brasil é significativo. Exemplo desse reconhecimento é o crescente número de jogos traduzidos e dublados em português brasileiro. O mais importante número dessa pesquisa é que apesar da Microsoft ter tido inconteste liderança na geração passada, o atual console preferido dos brasileiros é o PS4. Nesse quesito, o Xbox One fica atrás até mesmo do próprio 360. Ou seja, em uma perspectiva futura de médio e longo prazo há uma tendência de migração do Xbox 360 para o PS4, da Microsoft para Sony.

Videogames que o brasileiro possui
Videogames que o brasileiro possui
Consoles preferidos pelos brasileiros
Consoles preferidos pelos brasileiros

É claro que o Brasil é apenas uma parte pequena do mercado de jogos eletrônicos, mas como postei lá em cima o ranking mundial não aponta nada muito diferente. Sendo o Scorpio um produto Premium, como a própria Microsoft afirmou, a tendência em mercados onde o poder aquisitivo é mais baixo é de justamente se afastar desse lançamento. Logo, pelo menos no Brasil e outros mercados que não são de primeiro mundo, a chance desse quadro mudar com Scorpio é ainda menor. Isso significa que um possível aumento de vendas vai se limitar basicamente aos EUA e à Europa, tímido. A Microsoft disse que vai deixar os anúncios dos jogos para a E3 deste ano e que agora está focada em mostrar o hardware, mas a questão principal sobre essa posição da empresa é que ela não pode se dar ao luxo de fazer apenas uma boa E3, ela precisa fazer a melhor E3 dos últimos anos se quiser continuar nessa briga.

Falei sobre os países de renda mais baixa, pois não é a primeira vez que a Microsoft ensaia um movimento que limita ainda mais os jogadores menos abastados. A empresa quase lançou o Xbox One com uma necessidade de conexão initerrupta com a internet, por pouco não tornou o já elitista hobby de jogar videogames ainda menos acessível. Como afirmei, hardware não vende hardware, jogos sim. A Microsoft precisa mostrar a força de seu atual console antes de exibir o quão poderoso seu “novo console” será. O foco não deve ser o Scorpio, pois ele já tem sido o foco nesse último ano inteiro. O holofote tem que estar sobre a família Xbox como um todo mostrando o quanto todos os usuários dela vão ser agraciados a partir de 2017. Caso contrário, não só Scorpio vai falhar em seu propósito, mas o Xbox One também soferá mais um ano de perdas.

E para quem acha que essa hegemonia da Sony é fato a se comemorar, saiba que não é. Quando não há competição no mercado, há uma tendência de comodismo no longo prazo. Um belo exemplo de como usuários Sony acabam sofrendo com a liderança inconteste da japonesa é a baixa qualidade dos jogos disponibilizados através da PS Plus, como nós do Última Ficha destacamos não faz muito tempo. Um cenário de maior competição entre as duas maiores empresas da briga dos consoles traria muito mais benefício para todos os usuários de videogames do que possamos imaginar. Seja você um fã da Sony ou da Microsoft (ou da Nintendo :P), torcer para um excelente ano da gigante americana é papel de todo o gamer.

Publicado
Ricardo Carvalho é escritor, político e filósofo de sofá, cineasta frustrado e ativista pela aceitação mundial de que videogame é arte. Quer saber mais? facebook.com/OficialRicardoCarvalho e twitter.com/OficialRicardoC