May the 4th be with you: Top 10 – Jogos de Star Wars

Matéria originalmente publicada em maio de 2016 

Feliz “May the 4th” para todos! Uma data onde a Disney e a EA já nos presentearam com anúncios excitantes como o novo trailer de LEGO Star Wars: O Despertar da Força. Aqui no Última Ficha somos todos grandes fãs de Star Wars, e portanto, não podemos deixar essa data passar em branco.

Preparamos para vocês uma matéria elencando os melhores jogos dessa saga que representa tão bem o mundo dos games: são mais de 100 títulos lançados ao longo de 30 anos. É muita história e muito jogo e tentamos capturar um pouco dessa magia em um grupo de elite de 10 games na lista que preparamos abaixo:

Star Wars Dark Forces

10 – DARK FORCES

A primeira aventura de Star Wars no mundo dos FPS se deu em 1995, no PC para DOS. O gênero não dominava ainda o mercado como hoje, mas já ganhava muita notoriedade graças à ID Software e sua obra-prima DOOM. A LucasArts não planejava ficar para trás e lançou Star Wars: Dark Forces. Muito fiel aos tiroteios dos filmes trilogia original (e até então, a única que existia), Dark Forces era rápido, bonito e fazia qualquer um se sentir em uma cena de ação de Uma Nova Esperança. Nesse jogo, seguíamos o espião da Rebelião Kyle Katarn na sua missão de descobrir os planos do Império para o projeto Dark Trooper. Apesar de hoje parecer bastante primitivo, Dark Forces foi responsável por propulsionar não somente um dos maiores heróis do Universo Expandido (hoje o Legends) de Star Wars, mas por iniciar uma longa franquia de jogos da série Jedi Knight. E pode ter certeza que o tiroteio divertido e a enorme capacidade do jogo em te absorver para o universo Star Wars teve papel fundamental.

star wars empire at war

9 – STAR WARS: EMPIRE AT WAR

Star Wars: Empire at War foi um jogo bastante esperado nos anos que se antecederam seu lançamento em 2006 para PC. Não era para menos: o jogo foi desenvolvido pela Petroglyph, formada por membros da extinta Westwood Studios, responsável por pérolas do RTS como Command and Conquer e Dune – além disso, o último jogo da franquia no gênero era Galactic Battlegrounds, que não agradara a muitos devido à semelhança com Age of Empires. A expectativa era máxima e Empire at War atendeu em grande parte ao clamor dos fãs. As batalhas acontecem nos planetas e no espaço e os jogadores têm acesso a uma campanha parruda e a um modo Galactic Conquest, com visão mais estratégica e voltada para a dominação de vários planetas. O jogo se passa durante e depois os eventos dos filmes IV, V e VI, e acompanha eventos paralelos aos filmes. Há um grande número de unidades que podem ser comandadas no lado do Império e da Rebelião e, com o lançamento do pacote de expansão Forces of Corruption no final de 2006, foi incluída a Facção Zahn Consortium, que tem em suas forças guerreiros mercenários e veículos das Guerras Clônicas. Empire at War continua sendo um RTS sólido e único até hoje, embora os servidores do modo online já tenham sido desativados.

Star Wars Republic Commando

8 – STAR WARS: REPUBLIC COMMANDO

Talvez a proposta mais insólita para um jogo de Star Wars, Republic Commando surpreendeu até mesmo quem já apostava nele. Lançado em 2005 para PC e Xbox, a ideia era colocar o jogador sob a pele de um soldado clone da elite e seu time formados por seus irmãos igualmente excepcionais. É um FPS tático, com ênfase em comandos que podem ser direcionados aos seus companheiros para aumentar a chance de sobrevivência de todos. Por ser um jogo desafiador, colocando o jogador em vários momentos em que sobreviver parece improvável, Republic Commando cumpre muito bem seu papel de simulador de um soldado de elite, além de ser imersivo como poucos jogos são (incluindo um capacete visível que se limpa sozinho quando alguma gosma alienígena gruda no visor). Com uma história interessante e uma jogabilidade singular na franquia, Republic Commando é mais do que indicado para qualquer fã.


Star Wars Rogue Squadron Rogue Leader

7 – STAR WARS ROGUE SQUADRON II: ROGUE LEADER

A sequência do aclamado Star Wars Rogue Squadron, de Nintendo 64, saiu como um exclusivo do Gamecube em 2001. Mas enquanto o original era claramente limitado pelo poderio do console anterior da Big N, sua sequência podia brilhar com gráficos espetaculares. O jogo segue as aventuras do esquadrão dos melhores pilotos da Aliança Rebelde, o Rogue Squadron, desde antes de seu nascimento (ainda como Red Squadron, na batalha de Yavin e a destruição da primeira Estrela da Morte) até a destruição da segunda Estrela da Morte. O jogo busca preencher o vazio deixado por X-Wing/TIE Fighter no gênero de simulação de combate espacial e o faz de maneira espetacular, com gráficos lindos e uma jogabilidade afiada.

Star Wars Racer

6 – STAR WARS EPISODE I: RACER

Tem algo de muito genial em transformar em jogo uma das partes mais memoráveis de A Ameaça Fantasma: a corrida de pods. Lançado em 1999 para Nintendo 64, Dreamcast, PC e Mac, Episode I: Racer colocou de maneira bombástica a franquia em um gênero que ela havia explorado muito pouco, o de corrida. O jogo nos permite explorar mais a fundo essa coisa de corrida de pods, com uma série de pistas com vários atalhos, personagens e pods desbloqueáveis e habilidades típicas de jogos como Mario Kart. A sensação de velocidade de tirar o fôlego, o multiplayer e a jogabilidade afiada, tornam Episode I: Racer, o melhor jogo de corrida de Star Wars.

Star Wars Battlefront 2

5 – STAR WARS: BATTLEFRONT (I E II)

O início dos anos 2000 foram muito bons para Star Wars: no cinema, a saga concluía sua segunda trilogia de filmes e, no mundo dos jogos, uma grande leva de bons títulos surgia, dentre os quais estava Star Wars: Battlefront, lançado em 2004 para PS2, Xbox, PC e Mac. Battlefront tinha uma premissa muito clara e absolutamente genial, que somente a geração 128 bits poderia concebê-la: trazer as batalhas da saga para os campos de batalha de Battlefield. O primeiro jogo incluía uma campanha com uma boa duração, mas as grandes batalhas multiplayer, com dezenas de jogadores em cada lado, era realmente o que mais chamava atenção. A sequência repetiu muitos passos do primeiro jogo, mas teve adições fantásticas, como combates no espaço entre naves e heróis que podiam ser controlados pelos jogadores.

Star Wars Jedi Knight Jedi Outcast

4 – STAR WARS JEDI KNIGHT II: JEDI OUTCAST

Lançado em 2002 para Xbox, Gamecube, PC e Mac, Jedi Outcast é quase um primo distante de Dark Forces. O terceiro jogo da série iniciada em 1995, mostrara que não envelhecera e os belos gráficos e jogabilidade recauchutada e adaptada aos jogos 3D certamente ajudaram nisso. Jedi Outcast ainda segue Kyle Katarn, que tornou-se um Jedi, na caça de ex-aprendizes da ordem que abandonaram à Academia e voltaram-se para o lado negro. A trama empolga, mas é a jogabilidade que rouba a cena. O jogo é tanto um shooter em primeira pessoa quanto um jogo de ação em terceira pessoa, com muitos combates de sabre de luz. Além disso, o jogo prima por fases muito bem desenhadas, que estimulam o jogador a pensar em maneiras inteligentes de conduzir os combate. Por fim, o multiplayer introduzido nessa versão divertiu os jogadores por anos e continua agradando.

knights of the old republic 2

3 – STAR WARS KNIGHTS OF THE OLD REPUBLIC II: THE SITH LORDS

Lançado em 2004 para PC e Xbox, KotOR II: TSL é um RPG de ação da Obsidian (estúdio responsável por Fallout: New Vegas e Pillars of Eternity). É um jogo bastante sombrio, com uma trama que debate assuntos bastante filosóficos nunca antes levantados no universo Star Wars mas muito pertinentes. Embora o tom do jogo tenha desagradado a alguns fãs, a maturidade presente no roteiro impressiona, bem como os personagens, que não são nem completamente bons nem maus (como é costumeiro no maquiavelismo da saga), mas com diversas nuances como pessoas reais. A jogabilidade é baseada nas regras do d20, familiar a jogadores de Dungeons and Dragons e os combate, apesar de bem coreografados e com efeitos muito bons, é pela trama que prende o jogador do início ao fim que os fãs jogarão este jogo. É uma pena que KotOR II tenha tido seu ciclo de desenvolvimento acelerado, o que resultou em uma série de cortes (muitos dos quais foram restaurados pelos fãs) e impediu que este fosse o melhor jogo de Star Wars até hoje.

Star Wars TIE Fighter

2 – STAR WARS: TIE FIGHTER

Star Wars: TIE Fighter foi lançado em 1994 para PC e Mac, seguindo a fórmula de sucesso de X-Wing. Diferentemente da série Rogue Squadron e sua jogabilidade mais arcade, X-Wing e TIE Fighter realmente trabalharam o lado de um simulador de nave. Há uma infinidade de comandos que só caberiam em um teclado e um sistema de combate que clama pelo uso de joysticks. Embora X-Wing tenha iniciado a série de maneira brilhante, TIE Fighter a aperfeiçoou, trabalhando uma campanha genial, incluindo uma série de missões para o Império. Em TIE Fighter, você realmente se sente um piloto daquele caça vulnerável, com uma autonomia menor e que deve trabalhar com seus aliados se quiser sobreviver.

star wars knights of the old republic

1 – STAR WARS KNIGHTS OF THE OLD REPUBLIC

Este é o jogo considerado o Império Contra-Ataca da saga no mundo dos games. KotOR foi lançado em 2003 para PC e Xbox e consagrou-se como um sucesso absoluto de crítica. A trama se passa 4.000 anos antes dos filmes, em meio a uma guerra entre a República e o Império Sith, e segue as desventuras de um grupo de heróis (ou vilões) e como suas ações moldam os rumos da galáxia. O jogo apresenta uma trama muito familiar a qualquer fã da saga, com os arquétipos que nos acostumamos, uma trilha sonora original tremendamente adequada e personagens muito carismáticos. A exploração é um dos pontos fortes, sendo possível visitar planetas icônicos como Tatooine e Kashyyyk, e outros familiares mas nunca antes vistos como Dantooine. A jogabilidade é basicamente a mesma da sequência. Mais de 10 anos após seu lançamento, KotOR é não apenas um grande jogo de Star Wars, mas um dos melhores jogos de todos os tempos.

Publicado
Vicente leva uma vida marcada por vícios: leitor compulsivo, viajante (mas nunca turista) obcecado, rato de academia e jogador fissurado. Tenta também ser editor do Última Ficha quando sobra um tempinho. Fã de RPG, FPS, RTS e outras siglas.