Análise: Superhot VR é essencial para quem tem o acessório

Superhot foi lançado inicialmente há um ano para PC e Xbox e logo em seguida ganhou sua versão em realidade virtual somente para o PC. Embora já tivéssemos jogado sua versão normal, ainda não havíamos encostado nossas mãos e cabeças na versão de VR. Mas com sua chegada ao PS VR, nós pudemos testar essa maravilha que é essencial para quem tem o acessório tanto para o PC como para o PS4.

You are the chosen one

A melhor definição e resumo que posso fazer para Superhot VR é que você se sentirá o NEO do filme Matrix. A ideia do jogo é bem simples: o tempo só se move quando você se move. Com uma proposta gráfica mais simples, como se fosse um mundo VR de 20 anos atrás, caberá a você se mexer com precisão para pegar as armas, estrelas ninja, garrafas e outros itens para matar seus inimigos. Claro, é sempre uma possibilidade você esperar os inimigos chegarem em você e dar um soco ou roubar suas armas.

O curioso sobre Superhot VR, é que ele foi o primeiro jogo que me forçou a jogar em pé e precisei me movimentar excessivamente. Depois de certo tempo jogando, minha estratégia era deixar o sofá atrás de mim para poder cair sobre ele caso necessário. E acredite, era muito necessário. Nesse momento eu me senti dentro da Matrix desviando de cada bala e envergando meu corpo até não aguentar mais. Ou então jogando xadrez de agente secreto com lasers. Era um tipo de dança onde evitaria minha morte e eu controlaria cada segundo dela.

Tente mais uma vez

Algo que vem da sua versão normal, é que Superhot não é um jogo fácil. Na realidade, você aprenderá com seus erros. Já que seus inimigos só se movem quando você se mover, será necessário ter uma incrível noção de espaço para pensar na melhor estratégia de cada momento, como para visualizar seu inimigo quando chegar o tiro disparado ou a garrafa lançada.

Não só nisso que Superhot impressiona, mas ele é dividido em fases e blocos. Digamos que certa fase tem 3 blocos, e cada bloco tem 4 etapas. É necessário que você entenda e aprenda cada etapa para concluir um bloco. Caso você seja atingido em qualquer uma das etapas, você sempre retornará para o inicio daquele bloco. Houve certos momentos em que eu travava em uma dessas etapas e sempre tinha que retornar ao início de cada bloco até entender como iria conseguir passar e ai sim chegar na próxima fase.

Porém, algo que me incomodou um pouco na versão de PS4, é que o MOVE não era tão preciso quanto eu queria em certos momentos. Eu diria que em 85% do tempo em que joguei ele funcionou muito bem, mas nos outros 15% era complicado pegar um item específico. E outro detalhe (que pode ser um problema ou incompetência minha) era que a mira dos itens arremessados era muito difícil. A chance de eu errar um arremesso, em especias os de longe, era altíssima.

Conclusão

Superhot não apresenta gráficos maravilhosos e a história é inexistente. Porém sua imersão é fantástica e é um jogo obrigatório para quem tem o acessório de realidade virtual e paciência para aprender com seus erros. Mesmo com alguns contratempos que tive com o controle MOVE, ele não tira o brilho de Superhot VR.

notas

Publicado
Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.