Análise: Northgard e o jeitão Viking de viver

Desenvolvido pela Shiro Games, Northgard é um RTS (estratégia em tempo real) com temática Viking que fez sucesso no Steam Early-Access e agora, fora do programa, teve seu lançamento completo e oficial.

De qual fonte Northgard bebe?

O jogo possui modo campanha, modos de batalha offline e batalhas online. Sua campanha me lembrou muito os dialogos e jogo de imagens da série Warcraft (que também é um RTS) e consequentemente de Diablo. Dando a entender a referencia tirada da gigante Blizzard pelo pessoal da Shiro Games.

Durante a campanha você terá objetivos específicos que no inicio irão te ensinar a mecânica e dinâmica do jogo e que mais tarde se tornam desafios para seu estudo sobre o jogo e sua premissa. Uma das maiores novidades na questão da mecânica é o fato de você não poder explorar livremente o mapa logo de início. Os mapas são separados por áreas, e para poder passar para a área vizinha a sua, você deve enviar um Scout (um soldado de reconhecimento) para verificar a área antes que você mande seu líder ou suas tropas. Para isso existe um cooldown, o scout demora um tempo específico  para liberar cada área, tornando essencial o comando estratégico com o intuito de ser assertivo e conseguir bons recursos na área liberada.

northgard_workwork

Outra novidade, pelo menos pra mim, é que os aldeões, os civis, são criados automaticamente e cabe a você designar uma tarefa para eles. Seja como lenhadores, caçadores, uma espécie de padre, guerreiros e etc.

Todas as funções podem ser essenciais dependendo do seu objetivo na campanha ou de sua estratégia nas lutas online/offline, já que em Northgard não existe só uma maneira de ganhar. Não é só através da batalha que a vitória vem.

Você pode ganhar, por exemplo:

  • Matando todos e conquistando todas as cidades (um clássico não é mesmo?!)
  • Se tornando o “Rei” de todo o reino através do aumento da sua Fama
  • Se tornando o maior mercador do reino (uma vitória capitalista eu diria, nice!)
  • Se tornando o mais sábio de todos os Reis de Northgard

Isso lembra, de leve e de forma mais simples, alguns dos caminhos para vitória da série Civilization.

Outra variável é o Clan que você esta jogando. Cada clan tem suas vantagens e  bônus. Tais atributos podem impulsionar sua estratégia para vitória ou cuidar daquele tipo de insumo que você não quer prestar tanta atenção.

RTS de Sobrevivência

Usei este termo para tentar passar o diferencial de Northgard em sua ideia de um RTS mais imersivo. Durante sua partida o inverno irá chegar e com isso a sua colheita ficará mais devagar, sua madeira será usada para aquecer seu povo em volta a fogueira e com isso você levará muito mais tempo para produzir por minuto o que produzira fora desta estação tão temida, até mesmo pelo pessoal do Game of Thrones.

Se as coisas começarem a fugir do seu controle, sua população poderá ficar infeliz e, aliado a fome, seus trabalhadores e aliados morrerão mais rápido do que novos aparecem e, assim como o do Scorpion em Mortal Kombat, seu clã irá deixar de existir.

Esse é só um exemplo de uma das maneiras possiveis de se perder a partida em Northgard, lembrando que você ainda terá que correr atrás de conhecimento, fama e etc.

north1

Então o jogo é show? É… mas….

Eu, com certeza, não sou o maior conhecedor de RTS deste país. Tive minha época de ouro quando joguei Warcraft 3 competitivo por 5 anos e com essa bagagem e esperança fui jogar Northgard. (Quem é fã de War3 sabe a esperança que temos de achar algo similar nos dias de hoje).

Northgard é um jogo indie, não podemos esquecer disso. Mas sua qualidade nos traz uma sensação de que algumas coisas poderiam ser ( e tomara que sejam) aprimoradas em algum momento. Eu acredito que a chance é grande já que até agora a Shiro Games tem dado um suporte incrível ao jogo e aos jogadores.

Um dos pontos é a animação dos trabalhadores e peões. Normalmente eles ficam só andando pelo lugar. Alguns nem mesmo tem uma animação sobre a sua função, como o caçador que só fica andando pela área com um arco na mão. Sem nenhum senso de urgência (hahaha). Irrita um pouco. De leve. Isso não atrapalha o jogo de forma alguma mas parece uma falta de carinho com a imersão.

Outra coisa que me fez pensar (e isso é BEM particular e não vai compor a nota) é o fato do jogo ficar em cima do muro no ponto “realismo x fantasia”. Eu queria muito que tivesse um herói no jogo, (Warcraft 3 feelings) um cara que chamasse a ‘responsa’ e tivesse pequenas skills ou habilidades que pudessem mudar o rumo de uma batalha ou outra. (Ou quem sabe um herói que a habilidade fosse passar segurança para os aldeões ao seu redor, aumentar produção.. sei lá) Pensei que isso poderia ser o jogo querendo trazer alguma realidade onde o líder fosse uma pessoa normal como qualquer aldeão, só que, algumas coisas místicas (ou quase isso) acontecem durante o jogo. Você vê um zumbi, acha relíquias históricas e isso me fez pensar que habilidade até mesmo passivas poderiam existir no jogo.  Fica ai o questionamento e esperança.

Fecha a conta e passa a régua

Northgard é sem dúvidas uma obra de arte e uma obrigação para fãs de RTS e da cultura Viking. O jogo, apesar de Indie, tem sonhos de gente grande. Não se deixe enganar pelos gráficos amigáveis e (muitas vezes) coloridos o jogo tem um alto nível de dificuldade e não irá te ajudar a pensar no que é melhor para sua aldeia. Sendo assim um jogo indicado para quem quer um RTS estratégico não exclusivo a táticas de guerra. Construir um exercito e ir pra luta de cara não é nem de longe a melhor opção em Northgard (vai por mim .. eu tentei, bastante).

Parabéns Shiro Games pelo suporte e continue assim.

notas

Bruno Degering

Gamer há tanto tempo que usa consoles como referência cronológica para lembranças de sua vida. Amante de Mega Man, Resident Evil e Warcraft. Se gaba por ter zerado Battletoads aos 9 anos mas abandonou Bloodborne com 26.
Botão Voltar ao topo
Fechar