Análise: ONRUSH traz uma abordagem nova sobre jogos de corrida

“I came like a wrecking ball”. Assim como na música de Miley Cyrus, ONRUSH veio como uma boal de destruição, hypando meio que imediatamente a comunidade gamer. Apesar de ter surgido meio que “do nada”, ONRUSH carrega em seu DNA uma bagagem pesada. Ele está sendo lançado pela casca grossa em jogos de corrida, Codemasters, e foi desenvolvido pela mesma rapaziada de Motorstorm.

Se visualmente e em algumas mecânicas podemos ver claramente elementos do lendário Motorstorm, ONRUSH é um jogo bem original e que traz uma proposta totalmente nova na universo dos jogos de corrida que conhecemos.

PREVIEW_SCREENSHOT4_161939

Não há linha de chegada

Sim. Pode parecer estranho um jogo não ter linha de chegada ou, até mesmo, não possibilitar que você opte por vencer provas através da velocidade. Eu também estranhei quando soube disso pela primeira vez. Porém, ao primeiro contato com o jogo, fiquei apaixonado pela proposta.

Em ONRUSH, dois times duelam em 12 pistas com objetivos que variam de prova para prova. Os desafios variam desde destruir o maior número de adversários possíveis, até uma corrida contra o tempo para ir passando por check points e, com isso, aumentar levemente seu tempo. Quando o tempo de um dos grupos chegar a zero, ele perde.

Sempre dentro da ação

ONRUSH tem um sistema chamado de Stampede, que deixa seu carro sempre dentro da ação do jogo. Caso fique para trás, ele te faz um respawn no meio da “confusão”. E, caso você quebre seu carro ou caia de um penhasco, você terá será summonado de volta no bolo dos carros.

Dessa forma, a ação é frenética, incessante e divertidíssima. Em ONRUSH, não se preocupe em vencer a corrida, mas sim em ajudar da melhor forma a estratégia da sua equipe para vencer as batalhas.

Veículos da pesada

O jogo se inicia com oito classes diferentes de veículos. Cada uma tem uma função especial. Há desde veículos focados em destruição, quanto veículos que auxiliarão os demais para que a equipe saia vitoriosa. Cada um tem vários poderes especiais, o que tornam a experiência incrível, além de trazer uma camada de estratégia poucas vezes vistas em jogos do gênero.

Formas diferentes de vencer

Em ONRUSH, você disputa verdadeiras batalhas nos mais variados cenários. Há uma clássica floresta e árvores, uma represa, um circuito de corridas e muito mais. Em cada um desses cenários há rotas e caminhos que podem ser explorados separadamente, de acordo com a tática escolhida com base nas suas preferências e no veículo que você escolheu.

Gráficos e trilha sonora impecáveis

A Codemaster sempre entrega belos gráficos. É quase uma marca registrada do estúdio. E com ONRUSH não foi diferente. Efeitos de luz, texturas, ambientação. Tudo em é muito bonito e ajuda a colocar o jogador no clima do jogo.

A trilha sonora é um caso de amor à parte. Além do som barra pesada que acompanha o jogo, quando você libera o RUSH (uma espécie de especial), a música simplesmente muda para um som ainda mais alucinante. É incrível como dá vontade de afundar o botão do acelerador nessa hora.

Excessivamente online

Essa é uma característica que pode ser positiva ou negativa, dependendo do seu estilo. ONRUSH é um jogo que foi pensado para ser jogado online e, de preferência, com muitas pessoas. Isso não significa que ele não tenha modos onffline, muito pelo contrário, ele traz várias pistas para você jogar sozinho. Elas funcionam como uma forma de tutorial e apresentação do jogo. Mas é só. Infelizmente não aprofundamos na história (que é inexistente).

Conclusão

ONRUSH oferece uma abordagem nova aos jogos de corrida. Além de um ritmo frenético, ele traz elementos de batalhas em equipes, porém adaptados ao mundo da velocidade. Se você é fã de disputas em time e velocidade sobre rodas, ONRUSH lhe agradará de imediato.

Infelizmente o jogo deixa totalmente de lado a história e um aprofundamento offline, o que arrebanharia uma gama de jogadores que curtem uma experiência mais solo.

notas

Publicado
Fundador do Última Ficha. Jornalista, nerd, marido, pai e gamer. Acredita fielmente que videogames são para divertir. #PAS