Preview E3 2018 – Code Vein é mais uma boa adição ao gênero Souls

O que Demon’s Souls e Dark Souls fizeram não foi pouco. Criaram um novo gênero extremamente desafiador agrandando milhões de gamers pelo mundo todo. Com isso muitos jogos bebem da sua fórmula, e um desses jogos é Code Vein que estava presente na E3 no estande da Bandai. Certamente eu o joguei durante o evento e desafiei os inimigos e o chefão neste “Dark Souls de anime”.

Para quem já está acostumado com o estilo, certamente irá se sentir em casa. Será possível ter tipos diferentes de armas que terão um timing diferente de ataque. Será possível dar o dodge e parry. Existe até a possibilidade de utilizar alguns ataques concentrados/habilidades assim como usar itens. E claro, não esqueça de ficar de olho em sua estamina. Porém, pude perceber duas grandes novidades.

O primeiro grande diferencial vai para o sistema de companheiro que o jogo traz. Nesta demo era disponibilizado até 3 companheiros diferentes onde cada um tinha seus estilo e habilidades próprias. Nos jogos estilos Souls é bem comum você poder jogar online e chamar amigos e em Code Vein você terá um companheiro NPC para te acompanhar em sua aventura. No geral achei a IA bem boa e ela me ajudou muitas vezes, seja para matar um inimigo como para ajudar na recuperação de vida ou até estamina. Diversas vezes ouvi a frase “você está cansado, se afaste e se recupere e deixe isso comigo”. Também é possível curar e ser curado pelo seu colega.

A segunda grande novidade é a respeito do parry. O que acontece é que é possível equipar diversas coisas no seu personagem, incluindo sua “roupa”. Essa roupa na real seria sua armadura e ela tem um parry específico. Além do fato que você tem que treinar muito bem para conseguir encaixar os parrys, agora será necessário se especializar em parrys com timings completamente diferentes. Dependendo dessa roupa que escolherá, você terá status específicos e não somente isso. Será possível fazer uma especie de ataque carregado onde ele irá tirar uma grande parte do sangue do inimigo e irá sugar parte desta vida para você (não esqueça que o jogo tem uma temática de vampiro neste sentido).

Por fim tenho que falar dos inimigos, chefões e ambientação. Como você era “jogado” em uma parte do jogo, eu posso fizer que graficamente o jogo é bem bonito, mas a ambientação não me impressionou em nada. Parecia que estava passando por uma montanha sem nada nela. Porém, como não joguei o antes e depois desta fase, não posso cravar absolutamente nada. Sobre os inimigos eles seguem bem o padrão da série Souls. Inimigos mais rápidos, mais devagar, escondidos na fase para te surpreender e muito mais. Existe até inimigos maiores que servem como uma espécie de sub chefe. Vale pontuar que o jogo é mais rápido em seu gameplay e por isso em alguns momentos somos abordados por vários inimigos temos que se virar para matá-los. Mas no geral gostei bastante do que foi apresentado e os perigos diferentes do jogo.

E claro, o chefão! Na demo era possível pular diretamente o chefão para tentar derrotá-lo. Depois de testar muito minhas habilidades no campo normal (leia-se morrer muitas vezes) fui diretamente para o chefão. Aqui, mais uma vez, podemos ver o DNA do estilo Souls onde o chefão evoluía ao longo da luta e se tornava mais desafiador. Porém, o mesmo aconteceu comigo. Enquanto seus ataques ficavam mais rápidos eu percebia os padrões e conseguia esquivar deles. E se estão curiosos, matei o chefão na terceira tentativa!

De forma resumida, se gosta do estilo, fique ligado nele, pois será mais uma ótima adição a “família souls”. Code Vein será lançado para PS4, Xbox One e PC em 2019 (teve seu lançamento de Setembro de 2018 infelizmente adiado).

code vein e34 2018 (1)

 

Publicado
Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.