Análise: Override: Mech City Brawl – Te coloca em combates inusitados entre robôs gigantes

Quando falamos de jogos atuais que envolvam mechas só vem a mente os Gundam que estão sendo localizados pela Bandai, mas fora esses o que temos atualmente para satisfazer a nossa vontade de controlar um robozão? Infelizmente nessa geração as opções são limitadas e a vinda de Override: Mech City Brawl é algo extremamente bem vinda. Mas será que o game consegue nutrir esse nosso desejo? Vamos conferir.

Kaijus atacando o planeta terra!

O modo história consiste numa leve narrativa em que kaijus, monstros enormes, estão atacando países do nosso planeta e o piloto/robô que você escolheu terá a importante missão de viajar pelo globo pedindo o avanço desses seres. Cada uma das opções tem a sua própria historinha, o que aumenta o tempo de vida do game, contudo, esse modo é o mais fraco. O combate contra kaijus é deveras repetitivo, fazendo com que você fique repetindo a mesma coisa inúmeras vezes e trazendo nenhum desafio verdadeiro.

Você quase se sente um piloto

Algo que souberam fazer muito em Override: Mech City Brawl é ajustar o peso de seus mechas, pois dependendo do “volume” do corpo do seu robô, ele terá uma movimentação mais lenta ou mais rápida. Porém, pode ocorrer surpresas. Num momento joguei com um mecha que lembrava muito o Mech Godzilla e acreditei que ele fosse lento, contudo, o gordinho é extremamente rápido. De fato, uma fera em busca de destruir o seu alvo.

Os comandos são fáceis e até mesmo intuitivos, pois o R1 e L1 você utiliza os braços para atacar, enquanto R2 e L2 você realiza chutes. É possível carregar o golpe para causar mais dano. Além disso, o triangulo serve para se defender, enquanto X para pular e círculo juntamente do quadrado tem função de dash. Cada um dos robôs tem suas especialidades o que diferenciam um pouco o gameplay, contudo, a individualidade está mais nos design e golpes do que nos comandos. E sim, jogamos no PS4, mas os mesmos comandos são usados no Xbox One com seus botões.

Em meio das fases existem alguns itens que estão ali para ajudá-lo como escudos, espadas, granadas, pistolas e afins, podendo equipar um em cada mão. Esses itens podem se tornar a carta na manga para virar uma luta, mas se vacilar pode ser apenas um peso a mais para o seu mecha. Outro fator decisório para o combate é o golpe especial que é liberado ao apertar R2+L2 quando a sua vida está curta. Se acertar, você provavelmente virará o jogo e vencerá, contudo, se errar… Meus pêsames.

Modo Online

Com um modo competitivo de 1×1 e modo de até quatro jogadores podendo se digladiar individualmente ou em duplas, Override: Mech City Brawl mostra o seu ponto mais divertido. As batalhas não são rápidas e até mesmo bastante disputadas, contudo, depois de algumas partidas fica algo meio maçante e cansativo igual o modo história. Ao menos, o online funciona muito bem.

Conclusão

Override: Mech City Brawl pode ser o inicio de algo que dará certo no futuro, porém, nos dias atuais é um jogo mediano. Tem seus pontos fortes e fracos, mas nenhum tem um peso a mais que o torna um game fenomenal ou ruim. Senti falta de armamentos próprios que aproveitassem as características únicas de cada mecha. Além disso, o modo história que tem as batalhas contra kaijus é bastante broxante pela repetitividade, tornando o online o melhor modo para se desfrutar.

notas

Publicado
Futuro publicitário louco por toda a cultura nerd e geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos. Principalmente aqueles que vem da terra do sol nascente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *