Análise: Seria World War Z um sucessor de Left 4 Dead?

Faz tempo que não precisamos sentir saudade de jogos com temática focada em Zumbis não é mesmo? É comum alguns com esse foco serem lançados durante o ano – e a razão para esse fenômeno é simples: um grande retorno financeiro! Nós simplesmente amamos essa versão de mundo pós-apocalíptico por mais que a gente reclame a cada novo lançamento. World War Z se baseia em seu filme homônimo, com seus zumbis corredores e líderes de torcida escaladores em um jogo cooperativo que nos traz velhos sentimentos. Vamos a análise!

Velhas lembranças

Para jogadores assíduos a primeira coisa que você irá perceber ao jogar é : “Ok, temos um sucessor de Left 4 Dead aqui”. O jogo é focado principalmente no multiplayer cooperativo, seja ele online ou offline (o que é uma boa opção sempre). Temos aqui 4 sobreviventes tentando escapar e sobreviver a qualquer custo – uma premissa bem parecida com L4D. A diferença fica por conta das campanhas que acontecem em quatro lugares diferentes do mundo, sempre com quatro novos sobreviventes.

Isso empolga no primeiro momento, muitos personagens diferentes trazem esse sentimento de muita coisa – porém, as campanhas não são longas o suficiente para te dar a sensação de dever cumprido com cada grupo. Cada grupo tem 4 missões principais te dando um total de 16 fases para jogar repetidamente. O fator replay fica por conta dos cinco níveis de dificuldade presentes no jogo, deixando sempre balas mais escassas, fogo-amigo com uma punição maior e até mesmo uma morte definitiva logo na primeira queda. Isso com certeza é bem legal para aqueles que querem um jogo bem mais tático e mais stealth do que shooter, mas que tem seus problemas como falaremos mais a frente.

Uma evolução no gênero

O jogo trabalha em cima da cooperação entre as classes presentes no jogo e uma das coisas que chama atenção é a árvore de skills de cada uma delas. Cada um deles tem suas próprias árvores de habilidades que permitem que você personalize e construa tudo ao seu gosto. Armas também podem ser aprimoradas conforme você as usa, elas possuem níveis. Com isso você terá algumas opções de modificação como aumentar o número de balas no pente ou colocar um silenciador.

Os barulhos mais altos podem chamar zumbis próximos e distantes para perto, rapidamente você poderá estar cercado por esses queridões e acabar tomando um dano absurdo até alguém te salvar. Para isso o silenciador se faz mais que necessário nos níveis de dificuldade mais altos. Um alarde na hora errada pode fazer com que você tenha que recomeçar tudo novamente.  Então sempre tenha uma arma silenciada para acabar com inimigos perdidos pelo mapa.

World War Z tenta não ser tão arcade no gameplay quanto sua inspiração, trazendo recoil (coices) diferentes para cada arma. Sua classe e o nível da arma que você está usando também afetam o quão fácil será acertar seus inimigos. Ou seja, ganhando experiência e moedas in-game sempre deixarão a próxima run um pouco mais tranquila com melhores equipamentos e habilidades. Isso é realmente uma evolução para o gênero, sobreviventes não são só sobreviventes, são pessoas preparadas para esse mundo o que dá embasamento para elas estarem vivas até agora! (tu não tem ideia, é muito zumbi!)

Outra coisa que chama atenção são os roteiros de cada uma das missões. Por mais que muita coisa seja baseada em algum tipo de clichê, você encontra outros sobreviventes, pessoas precisando de ajuda e terá missões de resgate. É legal prestar atenção e entender o porque você está fazendo aquilo e como você deve agir em alguns momentos. Por mais que a lore/história base seja quase inexistente, os momentos de cada missão conseguem situar o jogador.

No mais tudo é o que estamos acostumados, podemos achar kits médicos pelo mapa para nos curar e curar amigos, balas são encontradas em caixas ilimitadas para encher sua munição em momentos estratégicos e temos 3 tipos diferentes de zumbis, um zumbi tank (que pode receber muito dano), um zumbi pulador que te agarra como um hunter de L4D, e zumbis em roupas de proteção amarela que soltam um gás quando são derrubados. Nada muito distante do que estamos acostumados.

Pra que PVP?

O jogo possui algumas opções de PVP já conhecidas, como domination, morte confirmada, entre outros. São simplesmente alguns lugares de algumas missões com pessoas se atirando (até porque não importa o modo, tudo vira mata-mata normalmente). O problema é que a engenharia de tiro do jogo não foi feita para isso. Atirar em inimigos se movimentando e sem impacto das balas pode transformar tudo numa experiência média pra ruim onde todos  parecem esponjas de balas.

Como dito antes, a campanha cooperativa do jogo não é longa e tem seus falhas de plot e missões repetitivas. Por que não focar nisso antes de trazer uma experiência multiplayer em um jogo que ninguém espera isso?

É muito zumbi!

O ponto alto do jogo é certamente o momento que você se prepara com seus amigos para a horda de zumbi que está chegando. Aqui o jogo te dará armadilhas, metralhadoras fixas e automáticas para enfrentar a horda. A quantidade de zumbis é absurda e com certeza é o momento de adrenalina de World War Z – talvez o único. Claro que tudo fica mais emocionante a partir do terceiro nível de dificuldade onde você não tem tanta moleza e terá que pensar e mirar antes de atirar.

(Pensando: Será que focar em um modo de jogo onde você deve montara a defesa de uma base, com estratégia em equipe, para segurar uma horda de zumbis, não seria uma opção melhor que o PVP?)

O restante do jogo não passa tanto esse sentimento. Na minha opinião deveria ser mais dark e silencioso. Até pelo fator barulho… nas dificuldades menores você nem se importa com isso e o jogo não te passa a necessidade de ser um pouco mais furtivo.

O jogo teve alguns problemas técnicos no seu lançamento que já foram resolvidos em sua maioria (pelo menos na minha experiência) sobrando apenas a fraca inteligencia artificial que não parece ter sido criada para trabalhar em equipe. Então se você gostou do que leu e pensa em ter bons momentos com o jogo, jogue online e, se possível, com amigos se comunicando para conseguir jogar nas dificuldades mais altas.

{{

game = [World War Z]

game = []

info = [Lançamento: 16/04/2019]

info = [Produtora: Saber Interactive]

info = [Distribuidora: Focus Home]

plataformas = [PS4, PC, Xbox One]

notaV2 = [7,0]

decisão = [Um bom jogo para jogar online com amigos]

texto = [Uma boa evolução do gênero]

texto = [que ainda poderia ser melhor]

positivo = [Muitos Zumbis!]

positivo = [Árvore de habilidades]

positivo = [Preparação para horda]

negativo = [I.A. não joga em equipe]

negativo = [História no geral]

negativo = [PVP desnecessário]

}}

Bruno Degering

Gamer há tanto tempo que usa consoles como referência cronológica para lembranças de sua vida. Amante de Mega Man, Resident Evil e Warcraft. Se gaba por ter zerado Battletoads aos 9 anos mas abandonou Bloodborne com 26.
Botão Voltar ao topo