[Hands-on] Devolver Digital – Fall Guys e Carrion, dois dos melhores jogos da E3

Devolver é um dos estúdios que realmente nunca sabemos o que esperar. Sempre elaboram estas ideias de outro mundo que não poderiam ser de outros estúdios além deles. E o melhor disso é que, até a data, tem funcionado muito bem. Devolver Digital é sinônimo de criatividade e qualidade. Durante a E3 deste ano, não foi diferente. Jogamos 2 títulos incríveis, estas são nossas impressões.

Fall Guys: Ultimate Knockout

Alguma vez você sentiu vontade de participar das Olimpíadas do Faustão (essa é valida apenas para os mais antigos rs) ou para os mais novos um programa no formato do Wipeout, e ao mesmo tempo jogar um jogo de ação Battle Royale? Bom, Fall Guys é o jogo perfeito para você. Tivemos o grande prazer de jogar a demo na E3 e foi uma surpresa inesperada e agradável. O jogo é, no melhor termo, um grande programa de jogos de battle Royale. Há uma série de jogos e cada etapa vai eliminando os mais “desafortunados”. É uma fórmula simples, mas gratificante e divertida, o que o torna viciante de jogar, principalmente com amigos. Mediatonic e a Devolver Digital fizeram o possível para oferecer um dos jogos mais cativantes desta E3.

Carrion

Você gosta de terror e ficção científica? Carrion é um game para você. Ele possui uma direção artística incrível e usam o pixel art para dar vida a uma massa de carne e tentáculos mutante que tem sede de carne humana e vingança. Você assume essa massa mutante, o que é uma bela alteração ao foco dos jogos de sobrevivência que existem hoje em dia. A medida que se avança, é contato o que houve de errado neste laboratório. O game play é intuitivo e viciante. A medida que progride, cresce devorando os humanos cientistas que deram vida a você. Explorando você ainda ganha outras habilidades para explorar novos locais, mantendo o jogo cativante e fresco. Também, parabéns a Phobia Games Studios e Devolver digital pelo trabalho de áudio no game. É uma combinação perfeita para a incrível direção de arte.

Paulo Everton

Gamer, Gaymer e muito orgulhoso! Descobri os videojogos com 7 anos de idade, de lá para cá foi uma ladeira sem fim, horas gastas em frente a televisão e muita, mas muita mesmo, história para contar, vivi tantas vidas quanto consigo me lembrar, e quer saber? É muito bom não ser a si mesmo!
Botão Voltar ao topo
Fechar