Preview: Outriders é um verdadeiro jogo da próxima geração

Jogo da nova geração chega com muita autoridade e visuais incríveis

Durante a primeira semana de Fevereiro, nós fomos convidados pela Square Enix para experimentar o jogo Outriders, que será lançado no fim de 2020 para Playstation 4, Playstation 5, Xbox One, Xbox Series X e PC. sim, já sentimos como será um jogo da próxima geração.

Inicialmente Outriders foi anunciado na E3 de 2019 com um trailer em CG. Desde então tanto a Square Enix como sua desenvolvedora People Can Fly (Gears of War: Judgment, Bulletstorm e Bulletstorm: Full Clip) não havia comentado nada sobre o jogo até esta semana com a revelação de seu gameplay.

Abaixo será possível conferir nossas primeiras impressões desse jogo que tem muito potencial e se inspira em sucessos como Destiny.

Confira também:

De planeta prometido a guerra civil espacial

A premissa de Outriders é algo que discutimos nos dias de hoje. Após usar e abusar dos recursos naturais da Terra, o planeta simplesmente não aguenta mais a raça humana e a sobrevivência se tornou algo praticamente impossível. Por sorte os cientistas acharam um novo planeta chamado Enoch, um Éden para toda a humanidade com ar e água limpos.

Antes de toda a humanidade migrar para o novo planeta, uma tropa de elite chamada Outriders é enviada para o planeta para montar uma base e aguardar a chegada do resto da humanidade. Logicamente as coisas não vão nada bem e Enoch tem uma estranha anomalia que nunca havia sido percebida.

Após essa anomalia surgir e praticamente devastar todas as pessoas dessa primeira leva, seu personagem é congelado por 31 anos. Durante esse momento a humanidade chega a terra prometida, mas vê algo muito diferente e acabam entrando em diversos conflitos pela sobrevivência.

Após acordar de seu sono criogênico, você percebe que tem poderes que podem ajudar a causa da humanidade e entender o que está acontecendo. Porém, você não é o único com poderes. Ao longo do jogo irá encontrar outros personagens alterados que terão poderes e se mostrarão oponentes formidáveis.

Classes magníficas de Outriders

Acredito que o ponto alto do que vimos nessa demo de Outriders são as classes. Diferente do que vemos no mercado, elas funcionam de modo bem único e tem um foco em regenerar sua vida.

Por exemplo, a primeira classe que eu peguei foi o Pyromancer (sim, ele taca fogo em tudo). O Pyromancer é considerado uma classe de meia distância. E por que isso é importante? Porque as mortes feitas a meia distância, utilizando suas habilidades, irão regenerar sua vida. Até o nível 6 do personagem, vimos uma habilidade onde paralisa o inimigo e suga sua vida. A outra é uma onda de fogo queimando tudo ao seu redor. Por fim, temos uma rápida paralisação do tempo onde podemos atingir todos os inimigos.

Já a classe Trickster funciona como um assassino e mexe com o tempo. Por ser um assassino, sua capacidade de regeneração é a curto alcance. Suas habilidades envolvem se teletransportar para trás dos inimigos e fazer um mega combo com sua outra habilidade que lança uma onda na vertical e mata todos a curta distância. Por fim existe mais uma habilidade que ele faz uma cúpula de energia onde tudo que passa nesse espaço fica lento. Tanto os inimigos como as balas ficam lerdos e você se sentirá o Neo de Matrix.

Por fim temos o Devastator que não tivemos a oportunidade de jogar com ele. O que podemos falar é que ele também tem o sistema de regeneração de vida a curto alcance e que é a classe tanque do jogo.

Além dessas três classes, é importante dizer que uma quarta classe ainda será revelada. Possivelmente eles farão um personagem a longa distância já que temos personagens de curta e média distância.

O importante é que Outriders quer que você utilize essas habilidades constantemente e o refresh delas é muito curto. Isso faz com que sua tela seja um show de luzes e partículas.

E como é a nova geração?

Antes de mais nada é importante dizer que jogamos em um PC high end com uma RTX 2080ti. Dito isso, não temos ideia do visual, performance ou de como é a pegada dos controles do Playstation 5 e Xbox Series X. Adicionalmente não existe nenhuma mecânica nova ou revolucionária. Todas as mecânicas são de jogos já existentes no mercado feitas ou não pela People Can Fly, porém, extremamente bem feitas.

Dentre o que já existe, é possível ver o cover shooter que vemos em Gears of War. Sendo que a People Can Fly fez o Gears of War: Judgment que é focado nessa mecânica. Outra mecânica comum é o drop do loot. Eles seguirão as raridades e cores encontradas em jogos como Destiny e The Division. Quanto maior a raridade, mais poderoso será o item e terá a possibilidade de customizar ele.

Porém, isso não quer dizer que não tenhamos destaques. Temos alguns tanto na parte visual como no gameplay e na parte do áudio. Falando rapidamente do áudio, a equipe de produção fez um belo trabalho em alguns detalhes. Por exemplo, quando o clipe vai esvaziando da sua arma, é possível ouvir um som oco saindo. Isso significa que está chegando a hora de recarregar a arma. Outra coisa que notamos, é que ao dar um critical hit o som feito da explosão do inimigo é diferente. Vale lembrar que existem os muitos tipos de armas que conhecemos como metralhadora, escopeta, sniper e muito mais.

Algo que vale a menção é na IA dos inimigos. Eles estão em constante movimentação e existem diversos tipos de inimigos. O que achei o mais legal é um que te ataca fisicamente e a curta distância. Porém, ao invés de seguir uma linha reta, ele fica se jogando em zigue-zague para evitar seus danos.

Já indo para o gameplay, o destaque fica para as armas terem recoil e cada uma ter sua habilidade. Não pense que simplesmente ficará parado atirando. Será necessário compensar o coice de cada arma na hora de atirar. Além disso, as habilidades das armas são fantásticas. Muitas vezes elas são visuais como fazer o inimigo explodir na sua frente. Porém, outras vezes eles adicionam um recurso extra como uma pequena onda de choque ou explosão local. Isso é um deleite visual.

Por fim, tenho que falar como o jogo é absurdamente lindo! Tanto no início quando Enoch é um grande planeta cheio de vida e natureza, como no futuro quando tudo está destruído. Por ser um sci-fi mais dark é possível ver algumas referências a Mad Max, assim como guerras em trincheiras das grandes Guerras Mundiais. Não somente isso, mas a People Can Fly falou que uma das influências foi a série Diablo. O jogo é absurdamente lindo e cheio de efeitos e detalhes.

Árvore de habilidade e RPG x Dificuldade mutável

Outriders ainda tem outros grandes destaques que impressionou. O primeiro é que a dificuldade aumenta em duas instâncias diferentes. Caso opte em jogar sozinho, o jogo será um pouco mais fácil, porém caso morra, não terá como ser revivido. Caso jogue com um ou dois amigos, você verá uma dificuldade mais elevada, porém, é possível reviver os membros caídos.

Por outro lado o jogo tem algo muito interessante que é uma dificuldade que se adapta ao seu estilo de jogo. Digamos que o jogo começa no nível fácil. A medida que você avança no jogo, mata com eficiência e não morre, Outriders aumenta automaticamente a dificuldade. Claro, isso pode ser desativado, mas quanto maior a dificuldade maior as recompensas e experiência. Isso também serve para o lado negativo, caso morra em um nível maior, perderá mais experiência acumulada.

E claro, é importante comentar que o jogo é focado em RPG. Por mais que ele seja um jogo PVE, assim como Destiny e The Division, ele não tem pretensão de ser um jogo focado no online e competitivo. No momento nos foi comentado que não existe a intenção de implementar PVP ao jogo. Com o PVP fora de jogo, Outriders irá entregar uma campanha de cerca de 40 horas com foco na história, personagens e muitas quests sendo tanto as primárias como as secundárias.

E toda essa experiência acumulada será revertida em uma extensa árvore de habilidade que irá se moldar ao seu estilo de jogo. É valido dizer que não será possível completar todas as linhas possíveis e você deverá montar seu próprio estilo de jogo.

Vale ficar animado para Outriders?

Sim, vale. Nossa experiência inicial foi muito positiva e ainda há muito que não foi dito como a quarta classe, como funcionará o endgame (que já nos foi confirmado que existirá e será possível aproveitar com seus amigos), novos planetas que ainda não foram mostrados e mais.

Além disso, o que já vimos como uma vasta quantidade de armas, foco em história, diversas possibilidades de montar seu personagem ideal e muito gameplay (sozinho ou com os amigos) sempre é algo animador. Isso sem contar que visualmente o jogo está lindo. Seja pelo show de luzes como por toda a ambientação, o jogo está visualmente maravilhoso junto com um excelente design de áudio que influencia em seu gameplay.

Claro, vale lembrar que esse é um preview de Outriders e não estamos cravando nada. Existem questões de como funcionará o endgame, como o jogo irá rodar em 5 plataformas diferentes (algo que nos foi dito que está sendo uma dor de cabeça), se existirá cross-play entre gerações e mais. E a grande preocupação é evitar a todo custo o temível bullet sponge que é cansativo e pouco adiciona ao jogo (nessa demo nós sofremos com isso).

Leonardo Coimbra

Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.
Botão Voltar ao topo
Fechar