Análise: HyperX Pulsefire Surge surpreende

Ótimo efeito RGB, baixo peso e excelente resposta tornam este modelo melhor que os caros da marca

Você já deve ter reparado que recebemos alguns produtos HyperX na redação. E nesse pack de produtos vieram dois mouses, o Dart, que já foi analisado pelo site, e o Pulsefire Surge, que ficou para depois por parecer ser simples demais frente ao inovador Dart.

Ledo engano subestimar o HyperX Pulsefire Surge! O modelo possuí uma iluminação RGB muito bonita, talvez a mais legal dos mouses atuais e é bem leve, o que é excelente para quem joga FPS. Mas nenhum gamer deve comprar seus periféricos pela aparência, mesmo que muitos o façam. Por isso, vamos ir mais a fundo sobre o desempenho e características deste mouse!

DESIGN E RGB

Desligado, o Pulsefire Surge parece um mouse comum, dando impressão até de ser de entrada. Ele é pequeno, principalmente se colocado lado a lado com seu irmão mais caro, o Dart. Sua carcaça e base são todas trabalhadas em plástico fosco preto, sendo apenas os botões em preto brilhoso. Na parte inferir apenas os pads para deslize do mouse e buraco para o sensor. Simples assim.

Logo de cara percebe-se ao longo de todo o mouse uma região mais translucida, assim como o logo da HyperX. É ai que o Pulsefire Surge brilha, literalmente. Todas as áreas translucidas servem para a iluminação RGB do mouse. O efeito fica incrível, dando a volta em todo o periférico, como se fosse uma onda infinita de RGB. Todos os efeitos de movimento aplicados ficam fantásticos. Não me recordo de um mouse que tenha passado pela redação com iluminação RGB tão diferenciada.

PEGADA E CONSTRUÇÃO

O Pulsefire Surge parece ter sido desenvolvido 100% para usuários de pegada claw e jogadores de FPS. Claro que o mouse de adapta a outras pegadas e jogos, mas a combinação claw/FPS irá tirar o maior proveito deste mouse. Para não haver problemas de cliques errados por conta da pegada, o mouse possuí uma boa separação entre os botões principais, um vão.

Mesmo pessoas de mãos um pouco grandes, como a minha, terão total conforto e controle sobre o mouse. O deslize é suave e preciso, como se espera de um mouse focado para FPS. Os botões laterais ficam em uma boa posição, sendo um bem no ossinho do dedão e o outro no meio do dedão. O scroll tem boa qualidade, mas é travado em apenas uma função, diferente dos mouses da Logitech.

Com apenas 100g, é um dos mouses mais leves nesta faixa de preço. Mesmo leve ele possui boa qualidade e capricho na construção. Feito todo em plástico preto fosco, com os botões laterais e o botão superior de DPI feitos em plástico preto brilho, o mouse possuí bom bom material, que te mantem preso ao mouse e ao mesmo tempo é macio o suficiente para horas e horas de uso prolongado.

PÉSSIMO SOFTWARE PROPRIETÁRIO, QUE POR SORTE ATRAPALHA POUCO

O calcanhar de aquiles dos últimos produtos HyperX analisados aqui é o péssimo software proprietário, o NGenuity. Não da para entender uma empresa do tamanho da HyperX, com tantos periféricos de qualidade, use um software horrível como este.

O aplicativo diz estar em beta, o que alivia um pouco o lado da HyperX. O mesmo só pode ser baixado através da Loja Microsoft, não sendo um programa “exe” comum baixado em qualquer site. Nele podemos baixar atualizações de firmware (nisto destaco ponto positivo, bastando plugar para alertar sobre atualizações), personalizar a iluminação RGB, criar perfis de DPI, acompanhar o nível de bateria e por ai vai.

A sorte do Pulsefire Surge é que ele possuí memória para salvar suas configurações e não é dependente do software. Basta escolher seus três perfis de DPI e pronto, nunca mais precisamos usar o NGenuity. Amém!

CONCLUSÃO

Um pequeno e leve monstro! É nítida a diferença de precisão e conforto quando você usa um mouse que se encaixa no seu estilo de jogo. O HyperX Pulsefire Surge se encaixou rapidamente ao meu estilo de uso e jogos. São poucos os pontos negativos deste pequeno.

Bonito, leve, com uma incrível iluminação RGB, memória interna, cabo trançado e perfeito para mãos pequenas e médias, sendo confortável até mesmo para mãos um pouco grandes. Botões laterais poderiam ser mais rígidos, menos molengas. Com preços a partir de R$249,90, na data desta publicação, o mouse acaba por quase não se justificar.

Se você não liga para RGB e curte uma outra pegada, temos por exemplo o Logitech M518 que comumente aparece por menos de 150 reais. Outro que aparece nesta faixa é o Logitech G502 com fio. Ambos com formatos diferentes, sem RGB mas com desempenhos excelente. Se conseguisse descer da casa dos 200 reais, o Pulsefire Surge certamente seria uma opção unânime pois alia desempenho e beleza, mas para quem está com um orçamento um tanto quanto limitado, algumas opções menos brilhantes podem roubar potenciais compradores.

NÍVEL DE RECOMENDAÇÃO: OURO

 

Pedro Nogueira

Formado em Administração e em GunZ: The Duel. Rei dos FPS e o Toretto dos jogos de corrida no site. O nerd/entusiasta do PC Master Race, responsável por análise de periféricos e hardware. Quebra um galho de streamer lá na twitch.tv/ultimaficha.
Botão Voltar ao topo