Tendência

Preview: Blaze Revolutions

Um jogo de estratégia de dar onda!

Blaze Revolutions é um jogo de estratégia em tempo real que mescla a construção de bases com desafios táticos. O jogo está sendo desenvolvido pela Little Chicken Game Company e distribuído pela Kanolio Ventures Ltd. O jogo entrou em fase de testes no dia 20 de abril (4/20, no calendário americano), e deve ser lançado em até 5 meses, de acordo com a desenvolvedora.

O que é Blaze Revolutions?

Inicialmente, o jogo é composto apenas do modo campanha, que consiste em 12 capítulos e apresenta a história de Janet e Winston Blaze. Irmãos, os dois buscam por seu pai que foi capturado pela maléfica SomaCorp, uma organização que transformou a população em zumbis ao inventar dispositivos de realidade virtual que os distraem do mundo real fora de suas casas. A fim de combater a SomaCorp, diversos revolucionários se uniram na busca de fazer a população acordar das mentiras às quais foram apresentadas.

Blaze Revolutions

No entanto, visto que a corporação possui alto controle sobre a tecnologia e a sociedade, as cidades estão repletas de drones e policiais que buscam deter os revolucionários. Com isso, a família Blaze precisa juntar recursos, criar influência e se aliar a figuras poderosas a fim de descobrir a verdade.

Destrinchando a jogabilidade

Os jogadores controlam diversos heróis na campanha, cada um com uma habilidade especial e uma personalidade diferente. Para avançar nas missões, é necessário gerenciar recursos, construir edificações e destruir os prédios controlados pela Soma.

Blaze Revolutions

O gerenciamento de recursos funciona muito bem, com diversas informações sendo apresentadas na tela que auxiliam o jogador a saber da funcionalidade de cada estrutura, e o que a mesma pode gerar. Cada estrutura necessita de trabalhadores para funcionar, e para recrutá-los é necessário enviar os heróis a prédios da cidade, que irão utilizar a maconha para acordar os residentes e uni-los à revolução.

Conforme estruturas são criadas, a influência dos revolucionários aumenta, diminuindo o poder da Soma sobre a região. Com isso, os desafios para destruição dos prédios inimigos e a tomada de controle sobre a área são facilitados. Ainda, vale ressaltar que é necessário infiltrar-se nas cidades da Soma para construir novas bases aliadas. Para isso, os jogadores precisam escapar de sentinelas inimigas, esconder-se em prédios e utilizar habilidades especiais.

Cada um dos personagens principais possui uma habilidade, que concede benefícios úteis para a progressão no jogo, como a possibilidade de se camuflar e não ser detectado pelos inimigos, hackear estruturas e drones, e até recrutar diversos aliados sem a necessidade de gastar recursos.

Gráficos e som impecáveis!

A arte é simples, porém casa muito bem com toda a ambientação do jogo. Com modelos em low-poly, os personagens sendo representados por carros no mapa e bastante caricatos nos diálogos, e uma paleta de cores bem definida, a parte gráfica complementa a jogabilidade e torna a experiência bastante positiva. Ainda, a trilha sonora urbana e futurista agrega ainda mais na imersão.

Apenas um ponto a se ressaltar é que durante os diálogos, quando eu tentava avançar mais rapidamente os textos, a trilha sonora conflitava com o som dos textos e interrompia o áudio do jogo completamente. No entanto, a música retomava após alguns segundos.

Ainda, por conta do jogo estar em acesso antecipado, a maior parte da campanha não contém dublagem. Mas os desenvolvedores já anunciaram que pretendem dublar os diálogos do jogo em inglês ainda em maio.

O que está por vir em Blaze Revolutions?

Visto que Blaze Revolutions é um jogo independente, que entrou em acesso antecipado recentemente, me impressiona bastante a quantidade de funcionalidades que o jogo possui. A campanha é robusta, não são muitos os bugs presentes no game, e não deve demorar muito para o lançamento definitivo dele.

Para os próximos dois meses já estão anunciados: Suporte a controles, dublagem nos diálogos, cartas da Steam, novos idiomas e suporte a macOS. Ainda, a implementação de um modo de jogo mais livre está nos planos da versão final, e mais detalhes serão informados futuramente.

Gostei bastante do jogo até então, ele me trouxe um sentimento de estar jogando a campanha de RTS dos anos 2000, com missões repletas de objetivos menores, onde perco bastante tempo gerenciando e expandindo áreas as quais não retornarei. Tanto as seções de estratégia quanto de stealth são muito bem construídas, e algumas apresentam desafios reais para resolução. Ainda, acredito que no mundo atual, repleto de notícias falsas e desinformação, a crítica promovida pela campanha é sempre bem-vinda.

Nicolas Togashi

Graduado em desenvolvimento de jogos e aficionado por essa mídia, perde mais tempo jogando do que efetivamente utilizando a graduação para alguma coisa. Ama RPGs, e se esforça para ser um bom aliado nos jogos online.
Botão Voltar ao topo
Fechar