Análise: NINJA GAIDEN Master Collection é o retorno de um grande clássico

Torne-se o vento e ataque feito uma andorinha

Ninja Gaiden é um jogo clássico que existe desde 1988 e já passou por diversos estúdios e publicado por inúmeras empresas. Com o tempo vimos a evolução de um game de plataforma se transformar num jogo de ação que sua dificuldade era até mais assombrosa do que os famigerados Demon’s Souls e Dark Souls. Após uma grande espera a série ganhou uma nova luz com Ninja Gaiden: Master Collection.

Essa coletânea traz consigo a trilogia Ninja Gaiden Sigma. Ao menos, as melhores versões de cada jogo. Vamos ver como ficou esse recurso das aventuras de Ryu Hayabusa? Confira agora mesmo essa análise feita pelo código de Playstation 4 cedido pela Koei Tecmo.

3 jogos em 1

Como dito antes, aqui temos uma coletânea que engloba a trilogia mais recente de Ninja Gaiden trazendo a melhor versão de cada jogo. Enquanto o 1 e 2 são a versão “Sigma” que saiu originalmente no Playstation 3, temos para o terceiro título temos o Ninja Gaiden 3: Razor’s Edge que foi um segundo lançamento do jogo, uma vez que o original Ninja Gaiden 3 foi considerado por quase todos os jogadores uma decepção.

Aqui podemos acompanhar do começo ao fim a jornada de Ryu Hayabusa na guerra entre a linhagem do dragão contra os demônios que habitam esse universo.

O mais divertido, sem dúvidas, é ver a evolução de um título para o outro. Não apenas de maneira gráfica, mas também em jogabilidade, mecânicas e mudanças em seu estilo. Isso até mesmo serve para enaltecer como o Ninja Gaiden Sigma (o primeiro) envelheceu mal e, em contra partida, o Ninja Gaiden Sigma 2 ainda muito recente em diversos aspectos.

NINJA GAIDEN: Master Collection

Ninja Gaiden Sigma

O primeiro título de Ninja Gaiden: Master Collection é a introdução desse universo onde temos Ryu se envolvendo pela primeira vez na batalha da linguagem do dragão contra os demônios.

Não é a primeira vez que o jogo, uma vez que pude o experimentar no Playstation 3. Muita coisa ainda estava fresca na memória, mas pelo tempo que passou pude notar alguns fatores que antigamente não me importavam tanto… A câmera é um forte de exemplo. Em diversos momentos ela ficava mais abaixo do que deveria, atrapalhando no combate. Consequentemente, nesse jogo, qualquer vacilo era fatal e a câmera fazia esses vacilos acontecerem.

A dificuldade desequilibrada que esse jogo apresenta também é um fator que deixaria qualquer jogador atual meio receoso. Estamos acostumados em colocar jogos derivados do estilo Souls como algo de grande dificuldade, porém, até mesmo esses jogos a dificuldade é bem pensada fazendo que o jogador precise ser cauteloso. Algo que não existe no primeiro Ninja Gaiden, ele apenas é difícil e dá pouca brecha para você conseguir superar os desafios.

Inclusive, os checkpoint são bem espaçados, forçando você a re-jogar tudo que passou se acaso morrer. Não há atalhos.

Ninja Gaiden Sigma 2

Diferente do primeiro jogo, aqui vemos um ótimo exemplo de algo que envelheceu brilhantemente bem. O gameplay que já era super rápido e frenético ficou ainda melhor com o jogo rodando nos fabulosos 60FPS e a forma que a campanha é fluída e intensa faz com que o jogador esqueça que seus gráficos já são de gerações passadas, principalmente graças aos cenários criativos que o jogo apresenta.

A história é continuação direta do que vimos no primeiro jogo, porém, com maior aprofundamento na batalha entre a linhagem do dragão contra os demônios. Junto disso, temos um jogo mais equilibrado e com uma dificuldade moderada que não te deixa em situações frustrantes como no anterior. Realmente temos uma evolução bem feita que trouxe uma obra de arte sobre ninjas.

Me atrevo a dizer que Ninja Gaiden Sigma 2 é, sem dúvidas, o maior fator decisório para alguém comprar o Ninja Gaiden: Master Collection.

Ninja Gaiden 3: Razor’s Edge

Aqui entramos numa polêmica. Talvez poucos se lembrem de como Ninja Gaiden 3 foi cruelmente criticado por ter apenas gráficos melhores e ser uma falha em todo resto em comparação ao Ninja Gaiden Sigma 2. Consequentemente, a Koei Tecmo fez a versão Razor’s Edge justamente para corrigir os seus erros. Porém, muita coisa só ficaria a nível do segundo título se esse jogo realmente fosse refeito do zero e isso foi algo que não aconteceu.

Mesmo que essa sendo a melhor versão do 3 podemos conferir em como se mostra um jogo inferior ao seu antecessor. Não em questão de gráficos, mas em mecânicas e muito mais.

Qual o motivo disso? O 2 estava realmente refinado, beirando a perfeição. Então para o terceiro título resolveram inovar, invés de apenas aproveitar o patamar que haviam atingido. Resultado? Um misto de escolhas certas com outras erradas. Temos aqui um jogo que não é ruim, contudo, após jogar o Ninja Gaiden Sigma 2 é notável que qualquer um verá que poderia ter sido melhor.

NINJA GAIDEN: Master Collection como um todo

A maior promessa da Koei Tecmo é que Ninja Gaiden: Master Collection trará as aventuras de Ryu Hayabusa em 4k com 60FPS. Ela não mentiu! O jogo está realmente com essas configurações, porém, algumas coisas me desagradaram. Eu sinceramente senti como se eles tivessem dado “ctrl c + ctrl v” para depois esticar a tela e entregar o 4k (algo que eu fiz nos primeiros vídeos que editei pro Última Ficha, estou de olho nessa preguiça aí Koei Tecmo).

Outro fator intrigante que faz com que eu tenha essa sensação é que a coletânea é vendida apenas dessa forma, mas os jogos vem de maneira individual. Não há um menu para selecionar qual jogar ou algo do tipo… Juntamente disso, no 1 e 2 podemos ver menus, letras, HUD e etc… Pixelados! Mostrando que não estão na resolução original. Isso comprova ainda mais a minha teoria.

Ao menos o que foi prometido acabou sendo entregue, de alguma forma.

Conclusão de NINJA GAIDEN: Master Collection

Temos uma boa coletânea para quem ficou viúva de série Ninja Gaiden ou deseja conhecer as aventuras mais recentes de Ryu Hayabusa. Meu lado de fã tem fé que esse lançamento seja preludio de um reboot ou continuação, contudo, esse mesmo lado também está um pouco decepcionado ao ver que uma franquia tão consagrada recebeu uma coleção remaster que é foi tão preguiçosa em alguns pontos. Esses pontos não atrapalham, porém, são notáveis até demais.

No geral, vale apena comprar. Principalmente porque Ninja Gaiden 2 Sigma é uma obra de arte.

NINJA GAIDEN: Master Collection

Essa análise segue nossas diretrizes internas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Chance de matar a saudade com NINJA GAIDEN: Master Collection

Visual, ambientação e gráficos - 7
Jogabilidade - 9
Diversão - 7
Áudio e trilha-sonora - 8
Custo-Benefício - 7

7.6

Bom

Aqui temos uma coletânea que vai acalmar o coração de muitos fãs. Está longe de ser algo que realmente merecêssemos depois de uma geração inteira sem nenhuma novidade de Ninja Gaiden. Contudo, agora temos uma chance de jogar uma vez mais o Ninja Gaiden Sigma 2 com os espetaculares 60FPS.

User Rating: Be the first one !

Anderson Mussulino

Publicitário louco por toda a cultura geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos que vem da terra do sol nascente.
Botão Voltar ao topo