Análise: Wolfstride surpreende do começo ao fim

Robôs gigantes, boas histórias e três amigos. Combinação perfeita.

Lançado para PC pela produtora Raw Fury, Wolfstride é um jogo peculiar onde temos combates de mechas, administração de sua equipe e uma história bastante envolvente com personagens extremamente carismáticos. Ficou curioso para saber mais sobre esse jogo que é totalmente em preto e branco? Confira a nossa análise de Wolfstride.

Essa análise de Wolfstride foi feita graças a um código de Steam cedido pela produtora por meio da Agência Masamune.

Três amigos e um grande torneio

Wolfstride é um game que merece bastante destaque, primeiramente por ter sido uma produção feita por uma equipe de brasileiros com daltonismo do estúdio Ota Imon Studios. Além disso, o jogo traz com sigo diversos elementos que prendem por completo a sua atenção, principalmente a curiosa característica de ser totalmente em preto e branco, deixando com que os jogadores tomem a liberdade de “visualizar” a coloração que desejar de acordo com a sua própria imaginação.

Em um mundo onde combate de mechas é algo tão rotineiro como futebol, temos o gatuno Dominic Shade que é líder de uma equipe de mecha composta pelo piloto Knife Leopard e o cachorro mal humorado Duque que também é o mecânico da equipe. A história começa com a inesperada vitória de Knife Leopard com o seu mecha Cowboy, fazendo com que ele subisse para 297 colado do ranking oficial do torneio mundial. Apesar disso, o robôzão estava numa situação catastrófica após o confronto, fazendo com que Shade precisasse ir até as ruas para conseguir comprar as peças necessárias para o conserto do Cowboy. Contudo, nada é como o esperado e o protagonista acabou conhecendo pessoas minimamente peculiares que vão auxiliá-lo e também metê-lo em diversas confusões.

Os personagens de Wolfstride são detentores de extrema carisma, trazendo diálogos diversos, repletos de referências a cultura pop e um linguajar bastante cômico. Sem dúvidas o ponto forte do game é a sua história envolvente e imersiva.

Administre a sua equipe e detone seus inimigos

O gameplay de Wolfstride pode ser dividido em dois estilos bem singulares. O primeiro é com Shade, onde devemos administrar a equipe, fazer trabalhos para conseguir fundos e cuidar de toda a preparação necessária para que Knife e Cowboy possam lutar com o seu maior potencial.

Sendo mais especifico sobre cada parte, quando estamos controlando Shade podemos andar pela cidade, interagir com todos os personagens, fazer minigames referentes aos trabalhos que ele pega (como realizar entregas de bicicleta) e também consertar o Cowboy. Esta é a parte predominante do jogo e também onde teremos o maior desenvolvimento da narrativa.

As batalhas são sempre utilizando o Knife, enquanto ele pilota o Cowboy. Os combates são por turno, onde temos a possibilidade de realizar ações de acordo com a nossa quantidade de AP, praticamente cada movimento custa um AP e é necessário saber administrar isso. Temos uma linha do tempo em modo de faixa que indica a distância entre os dois combatentes. Dito isso, você pode avançar ou recuar para conseguir o range necessário para executar seus ataques com excelência ou ficar fora do alcance inimigo. Tanto você quanto seu oponente tem quatro barras de vida que são referentes a cabeça, torso e os dois braços. O torso é, sem dúvidas, o ponto principal, pois se ele parar de funcionar quer dizer que o seu mecha perdeu o combate, contudo, também é importante causar dano nas outras partes para que assim você se livre dos pontos fortes de seus inimigos e não sofra tanto durante a luta.

Essa mescla de dois tipos bem singulares de gameplay auxilia para que o jogo não fique repetitivo. Apesar disso, em alguns momentos é meio cansativo ter que ficar indo de um lado para o outro com o Shade, pois quando selecionamos para ir até um local especifico da cidade ainda temos que atravessar uma área (que normalmente tem nenhum evento interessante) antes de chegar ao local realmente desejado.

Gráficos e áudio

Como foi mencionado anteriormente, o jogo é totalmente em preto e branco. E isso não atrapalha a sua qualidade, já que te possibilita colocar que você comece a pensar em como seria as cores desses personagens alucinantes e criar mentalmente a sua própria paleta de cores com os tons que mais te agrada. Além disso, quando estamos sobre o comando de Shade somos entregues a cenários e personagens pixelados, porém, quantidade considerável de detalhes. Quando estamos pilotando o Cowboy junto de Knife, temos molde mais detalhados.. E isso faz todo sentido, já que as estrelas do show são os mechas que estão em combate.

Sobre o áudio, é impossível não elogiar. A trilha sonora é simplesmente espetacular e as vozes são incríveis. Apesar de não termos dublagem em português, o cast de dubladores em inglês está de parabéns. Eles realmente conseguem passar o carisma digno dos personagens. Junto disso, o roteiro das falas também se destaca muito bem.

Conclusão da análise de Wolfstride

Para concluir essa análise de Wolfstride, quero mencionar que aqui temos um jogo que realmente surpreende seja pela sua narrativa ou forma que mesclam o gameplay. Por mais que em alguns momentos seja maçante ficar andando com o Shade, ainda assim a ótima música de fundo mesclada com o desenvolvimento da história trazem um diferencial marcante ao jogo. Ele pode ser preto e branco, mas isso não diminui em nada as suas qualidades. Wolfstride é um jogo que merece ser testado e aproveitado.

Essa análise de Wolfstride segue nossas diretrizes internas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Wolfstride é uma produção brasileira que surpreende totalmente

Visual, ambientação e gráficos - 10
Jogabilidade - 9
Diversão - 9
Áudio e trilha-sonora - 10
Narrativa - 10

9.6

Maravilhoso

Wolfstride é realmente um jogo que surpreende. Principalmente com a sua história bem desenvolvida, personagens com grande carisma e trilha sonora sensacional. O maior defeito é ainda não estar disponível em mais plataformas.

User Rating: Be the first one !

Anderson Mussulino

Publicitário louco por toda a cultura geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos que vem da terra do sol nascente.
Botão Voltar ao topo