Análise: Dell G15 Ryzen Edition (5800H + RTX 3060)

E temos um notebook gamer com a série RTX 30 debutando aqui no Última Ficha. A recém linha Dell G15 lançada no Brasil, chegou com opções AMD Ryzen 5000, Intel Core 10th/11th e placas de vídeo GTX 1650, RTX 3050/3060. E graças ao dono do site, que adquiriu um Dell G15 Ryzen Edition (5800H + RTX 3060) na Black Friday, poderemos trazer para vocês nossa análise em cima do note gamer mais hot da atualidade do mercado brasileiro.

Por que hot? Desde o lançamento ele se posicionou com preços muito interessantes, considerando o dólar, o cenário atual de falta de chips e outras variáveis, o Dell G15 com RTX 3060 conseguiu se meter no meio de outras opções do mercado, de marcas concorrentes, que ainda usam a RTX 2060. Isso com preços similares e algumas vezes menor!

O modelo utilizado nesta análise não foi cedido pela Dell. Trata-se de uma unidade comprada no varejo, idêntica a que você irá receber em sua casa. Inclusive, você pode conferir o unboxing completo no vídeo abaixo:

Mas vamos falar de preço mais para frente, assim como refrigeração, desempenho, benchmarks, tela e design. Aliás, vamos começar por design e construção?

DESIGN E CONSTRUÇÃO – Análise Dell G15 Ryzen Edition

A Dell acertou no design da linha G15. Enquanto alguns modelos gamers e algumas fabricantes cismam em vir cada vez mais chamativos, com barras de LED RGB, tampas com vincos e relevos muito chamativos, jogo de cores que se destacam demais e outras alegorias carnavalescas, alguns notebooks gamers recentes, incluindo a linha G15 como um todo, vem focando em uma sinergia muito bacana em gamer e profissional, destacando uma coisa ou outra mas no geral mantendo o design sóbrio.

O G15 tem corpo todo em plástico. Mas ter um corpo todo em plástico não é mais demérito e nem motivo para produto de menor qualidade. Neste caso é empregado um plástico bem robusto, rígido e que aparenta ter boa qualidade. A textura ao toque é excelente, tanto onde você vai apoiar suas mãos quanto no resto do corpo do notebook. O acabamento é todo em preto/acinzentado fosco, com um pequeno relevo na tampa ao redor do logo da Dell.

Detalhes que mostram a veia gamer do notebook ficam para os ‘G’ na cor laranja, posicionados em alguns cantos do dispositivo. E claro, pela sua espessura e pelo seu foco em resfriamento, que fica evidente tanto por fora quanto ao abrir a tela. Ele possui 4 saídas de ar nas bordas, uma à direita, uma à esquerda e duas na traseira. E assim que você levanta a tela, que pode ser levantada com apenas um dedo sem ter que segurar a base do notebook, vemos um grande espaço reservado para entrada de ar e resfriamento do sistema. Se toda essa engenharia de fluxo de ar ajuda, veremos mais à frente. Um ponto a se destacar é o tamanho do carregador, IMENSO! Mas justificável, pois ele empurra 240W de energia.

TELA – 1920×1080, IPS, 300 nits e 165Hz

A tela é mais um ponto forte do G15, pelo menos neste modelo em específico usado na análise. Enquanto até o começo do ano opções com 120/144Hz não eram comuns, o G15 Ryzen Edition com 5800H e RTX 3060 vem acompanhado de um painel IPS, com 300 nits de pico de brilho, resolução 1920×1080 e 165hz de taxa de atualização. Ou seja, não precisa ficar desesperado para comprar um monitor a parte caso seja jogador competitivo, você terá uma tela de alta taxa de atualização já embarcada no notebook!

A qualidade da tela no geral é muito boa. Bons ângulos de visão, backlight sem vazamentos e bem uniforme e boa representação das cores. O brilho é bom, talvez fique um pouco abaixo do esperado para ambientes muito iluminados. Em comparação, a tela fica um pouquinho abaixo, em qualidade de imagem, a tela usada no Acer Helios 300 que analisei no passado. Você pode conferir esta análise em texto clicando aqui e em vídeo clicando aqui.

TECLADO, WEBCAM E TOUCHPAD – TODOS PONTOS NEGATIVOS

Webcams e touchpads em notebook gamers, pelo menos dos que passaram pelo site para teste e por membros do site para uso pessoal, são apenas quebra galhos. No G15 Ryzen Edition não é diferente. O touchpad não é agradável ao toque, não é preciso nos deslizes e a pior parte fica para o clique. O pad afunda e muito dependendo da força que você fizer. Já a webcam é a famosa 720p de sempre, salvo para reuniões, mas é péssima para lives ou para criar algum tipo de conteúdo. Lá na análise em vídeo você confere, além do desempenho da webcam, o desempenho do microfone do Dell G15.

Agora o teclado foi uma surpresa negativa. Depois de ótimos teclados no Acer Predator Helios 300 e Acer Nitro 5 analisados aqui no site, o teclado da série G15 é péssimo para jogos. Ele tem aparência, sensação tátil e layout de um teclado de notebook business dos mais antigos. Nada me agradou, nem o layout, nem o formato, nem o click, nem a distância de acionamento, nem a sensação tátil e, também, nem a iluminação RGB. A iluminação RGB não é forte e é feita por zonas, ou seja, não espere uma onda de arco-íris passando pelo seu novo notebook gamer.

RAM E SSD DE FÁBRICA – Análise Dell G15 Ryzen Edition

Por sorte, o modelo brasileiro (pelo que li por conta de uma lei nacional que obriga alguns componentes serem nacionais) vem com dois pentes de 8GB DDR4 3200MHz. Isso é excelente pois elas trabalham em dual-channel. No review do Helios 300, foi provado que o dual-channel afeta bastante o desempenho em alguns casos. Na ocasião foi fácil ver a diferença pois o Legion que tínhamos para comparar tinha o mesmo processador e mesma quantidade de RAM, a diferença ficava para um com single e outro com dual channel. Neste modelo as memórias são da SMART.

Falando em armazenamento, o SSD de 512GB que veio no G15 foi um NVME PCI-e Gen3 2230, bem diferente do que a maioria das pessoas está acostumada, que é o 2280. Mas ele ser pequeno não diminui seu desempenho e qualidade. Neste G15 o modelo que veio de fábrica foi um Western Digital PC SN350. Nos testes ele alcançou cerca de 2500MB/s de leitura e 1800MB/s de escrita.

DESEMPENHO – Análise Dell G15 Ryzen Edition

É aqui que você provavelmente vai perder mais tempo nesta análise. Fizemos um apanhado de testes, desde benchmarks sintéticos, focados em CPU e GPU, e claro que em jogos, tanto em jogos com benchmark interno quanto em jogos sem benchmark interno, onde pegamos a média de quadros durante uma sessão de gameplay.

Aproveitamos alguns jogos não tão novos, pois temos algumas outras máquinas com dados guardados, facilitando o comparativo. Já para jogos mais novos, inicialmente, teremos poucas opções para comparação. Mas prometo que, até o fim do ano, um desktop com RTX 2070 e RX 6800 vão aparecer nos gráficos abaixo. Você pode conferir todas as máquinas e configurações usadas nestes comparativos clicando aqui, caso queira saber algumas informações além do que vem resumidas.

BENCHMARKS SINTÉTICOS

Ungine Heaven – Foco em GPU
Cinebench R23 – Foco em CPU
3DMark – Port Royal
3DMark – Time Spy

JOGOS COM BENCHMARKS INTERNOS

Forza Horizon 5
Far Cry 6
Horizon Zero Dawn
Gears Tactics
Watch Dogs Legion

JOGOS COM SESSÕES DE GAMEPLAY LIVRE E JOGOS COMPETITIVOS

Battlefield 2042
Metro Exodus Enhanced PC Edition
CS:GO – Mapa ‘FPS Benchmark’ da oficina
Valorant
Apex Legends

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO E UPGRADES

Com um sistema de resfriamento bacana, nada extraordinário, o Dell G15 Ryzen Edition consegue manter ótimo desempenho com excelente nível de ruído. Foi até surpreendente que mesmo com os coolers do CPU e GPU no máximo, o nível de ruído não chega próximo aos Acer Helios e Acer Nitro que passaram recentemente por aqui. Claro, os componentes trabalham em altas temperaturas, o que não é um problema, e diminuem um pouco o clock para se manterem em alto desempenho por longos períodos.

Mas o balanceamento de resfriamento, temperatura, manutenção de clocks e desempenho é excelente. Finalmente hein Dell? Depois de algumas séries vergonhas como as antigas G, agora vocês acertaram! Para se ter ideia, o 5800H, mesmo com a redução do clock durante o Cinebench, mostrou que seu desempenho é bem parelho com um 9900K de desktop, um rapaz bem esquentadinho e forte até hoje!

Falando em upgrade, assunto que muito interessa entusiastas e quem quer bombar o G15, ele possui fácil acesso e manutenção à SSDs, RAMs e placa WiFi/bluetooth. Tudo pode ser trocado e substituído sem muita experiência com manutenção de notebooks. Segundo o manual do modelo, a memória RAM é expansível até 32GB através do uso de dois pentes de 16GB DDR4 de 3200MHz. O modelo veio com 16GB, em dois pentes de 8GB DDR4 3200Mhz.

Já em armazenamento, ele possui dois slots PCI-e Gen3x4 NVME, suportando NVMEs M.2 2230 e 2280. Ambos os lados suportam 2230 e 2280. O lado esquerdo, nomeado de SSD1 na placa mãe, vem preenchido com um 2230 de 512GB. Já o lado direito, nomeado de SSD2, estava vazio. Segundo o manual da Dell, ele suporta NVMEs 2230 de 1TB e 2280 de 2TB.

A Dell mandou muito bem nessa facilidade e expansividade. Fica somente uma observação que a tampa inferior não sai somente retirando os parafusos. Além disso, você vai precisar de uma ferramenta dessas de manutenção de smartphone ou de um cartão, estilo cartão de crédito, para ir liberando as travas internas.

CONCLUSÃO – Análise Dell G15 Ryzen Edition

Desde a série RTX 20 é preciso ficar muito atento se o modelo que você está de olho possui um TDP mais baixo ou mais alto na GPU. Por que isso? Quanto maior, mais consumo ela terá e mais desempenho ela vai te entregar. Nos próprios gráficos você vê que o Legion e o Helios, com configurações quase idênticas, possuem desempenhos bem diferentes, pois a 2060 do Legion é de baixa TDP, entregando muito menos desempenho que a 2060 do Helios, que tem TDP maior.

Para quem tá boiando no que é TDP, em inglês o termo significa Thermal Design Power. Significa o máximo de capacidade de dissipação de calor que determinado chip tem. Também é referido como máximo de consumo, em watts, que o chip pode consumir. As empresas usam de formas diferentes, algumas para ambos os sentidos, outras apenas para o consumo e outras para a dissipação de calor.

Por que falei isso? O Dell G15 com RTX 3060 possui uma das melhores TDPs do mercado para essa placa, podendo chegar até 125W, e ficando na média nos jogos sempre acima dos 115W. Você pode ficar tranquilo que dificilmente terá algum modelo que vai se desempenhar melhor usando a mesma placa de vídeo. Pelo contrário, muitos modelos devem aparecer com TDP menor. Por isso, olhar só as especificações básicas não adiantam, pois indo num produto mais barato, com mesma GPU, não significa estar economizando, você pode estar levando gato por lebre, como quem comprou o Legion Y540.

Se o desempenho é excelente, temos aliados uma boa construção, design que acerta em cheio na mescla entre design gamer e design business, boa seleção de conexões (muito bem localizadas também) e a ótima tela com 165Hz e boa qualidade de imagem. De negativo temos webcam e touchpad, que importam pouco em um note gamer, e o teclado. Esse sim é um ponto dolorido, mas que para gamers também pode ser driblado facilmente, pois muitos usam um teclado externo. Os pontos positivos do G15 esmagam os negativos.

Levando em consideração tudo isso, o diamante veio merecido para o Dell. Se posicionou bem no mercado já em seu lançamento, deixando modelos com 2060 mal na fita. Na Black Friday, considerando todos os cashbacks possíveis, este modelo no combo com a mochila saiu por cerca de R$7.100,00. No mesmo período o próprio Helios 300 com 2060 estava mais caro, só para exemplificar. É capaz ainda do Dell com RTX 3060 ainda ajudar o mercado, empurrando os preços de modelos com RTX 2060 para baixo, ajudando quem não precisa de tanto desempenho.

NÍVEL DE RECOMENDAÇÃO: DIAMANTE

Pedro Nogueira

Formado em Administração e em GunZ: The Duel. Rei dos FPS e o Toretto dos jogos de corrida no site. O nerd/entusiasta do PC Master Race, responsável por análise de periféricos e hardware. Quebra um galho de streamer lá na twitch.tv/ultimaficha.
Botão Voltar ao topo