Preview: Rainbow Six Extraction é interessante e desafiador

Está pronto para jogar em equipe e tentar sobreviver?

Um pouco antes do natal nós do Última Ficha recebemos um verdadeiro presente da Ubisoft, a oportunidade de jogar por mais de 4 horas Rainbow Six Extraction, ainda em Dezembro, durante seu evento de preview. Confira aqui nosso preview/primeiras impressões de Rainbow Six Extraction e o que você pode esperar do jogo quando for lançado em 20 de Janeiro de 2022.

Rainbow Six Extraction será lançado para Xbox Series X|S, Xbox One (incluindo Game Pass), PlayStation 5, PlayStation 4 e PC, via Ubisoft Store e Ubisoft+ e quem adquirir o jogo, receberá o buddy pass para jogar com um amigo durante 14 dias. Adicionalmente, o conteúdo pós lançamento já está disponível para quem quiser conferir o que virá após seu lançamento.

E sim, o jogo será completamente legendado e dublado em português e contará com suporte a cross-play entre todas as plataformas assim como cross-save e cross-progression.

Pouca história e muitos mapas

Um dos pontos não tão interessantes que pudemos conferir neste preview de Rainbow Six Extraction é sua história. Ela acaba sendo muito direta e servindo apenas para situar os jogadores neste mundo, então não espere nenhuma grande interpretação ou algo “fora da curva”.

Aqui nós temos uma ameaça vinda do espaço que se espalha como uma espécie de infecção imediata no planeta e que são chamados de Archæans. Inicialmente vamos poder explorar as cidades de Nova Iorque e São Francisco. Ao chegar no nível 7, iremos liberar o gélido Alaska. Ao chegar no nível 11 liberamos o mapa da cidade Truth or Consequences. E ao chegar no nível máximo, que é o 12, será possível encarar o endgame que é a operação Maelstrom. Se preparem para a maior dificuldade que o jogo oferece.

Opções de mapa

Cada uma dessas cidades possuem 3 mapas distintos onde teremos 3 objetivos. Aqui temos o primeiro grande diferencial de Rainbow Six Extraction. No jogo temos um total de 13 tipos de missões que serão sorteadas a cada nova run. Elas variam entre matar um inimigo específico, coletar a amostra de um inimigo, atrair um inimigo para um ponto de extração, resgatar um aliado, guiar uma pessoa perdida no meio da confusão e muito mais.

Além de termos essas missões que são sorteadas, sua ordem muda a cada nova tentativa e cada nova missão será mais difícil do que a anterior, até chegar na terceira e última do mapa que será, consequentemente, a mais difícil. Resgatar uma pessoa na primeira missão será bem mais factível que resgatá-la na última missão, por exemplo.

Isso traz um constante frescor e desafio ao jogo. E para isso. conhecer o mapa é vital para aumentar o sucesso de cada run. E sim, é possível fazer um jogo customizado escolhendo as missões que você tenha mais afinidade.

Personagens e equipamentos

Antes de iniciar sua tentativa de incursão em um novo mapa, você deverá escolher seu personagem e seu equipamento e isso terá um grande efeito na sua jornada por diversos motivos.

Na versão base do jogo, será possível contar com até 18 agentes que os fãs reconhecerão de Rainbow Six Siege. Dentre os operadores teremos Vigil, Lion, Alibi, Ela, Doc, Pulse, Hibana, Sledge, IQ, Jager, Gridlock, Nomad, Smoke, Finka, Rook, Tachanka e mais. Cada um desses agentes terá uma habilidade específica como poder curar alguém, causar um tipo de distração, ver atividade inimiga atrás das paredes, ter vida extra e etc. Além disso, cada operador contará com uma arma primária e secundária como: fuzis, pistolas, revólver, escopetas, metralhadoras pesadas e mais. Todas as variáveis são inspiradas nos operadores de Siege.

Vai conseguir manter vivo todos personagens?

Como se faz necessário trabalhar em equipe, a sinergia entre os operadores e suas habilidades é o que irá resultar ou não, na vitória do grupo.

Além das habilidades dos operadores, das armas diferenciadas e de seus attachments, também temos itens que podem ser equipados a bel prazer. Com a evolução de seu nível e o nível dos personagens, será possível desbloquear granadas de impacto, claymore, blindagem e mais. Embora não impacte muito no seu gameplay, esse é o detalhe que pode fazer toda a diferença. No total contaremos com 25 dispositivos que variam entre ataque, defesa e suporte.

O mais importante de tudo, devagar e sempre

O que eu falei até agora neste preview de Rainbow Six Extraction são as mecânicas básicas, mas como elas se encaixam no jogo? Antes de mais nada tenho que dizer que esse é um jogo difícil. Inclusive, essa talvez seja minha única crítica, é difícil até demais! Durante mais de 4 horas de gameplay, conseguimos completar com sucesso apenas uma run completa. Todas as outras ou morremos, ou saímos da run por não ter mais condição de seguir em frente e salvarmos a experiência que era possível. É importante enfatizar que é possível cumprir parte das três missões e voltar com a experiência obtida.

Se eu fosse comparar Rainbow Six Extraction com outro jogo deste estilo, ele me lembrou muito GTFO. Seu grande diferencial é misturar as habilidades distintas dos operadores onde cada um pode fazer uma diferença imensa a cada nova tentativa. Os inimigos no geral são bem agressivos e muitas vezes acabam aparecendo “do nada”. E, por falar em inimigos, temos o pacote básico de inimigos como vemos em Back 4 Blood.

Temos o padrão, o ágil, o que faz outros inimigos, os que explodem ao se aproximar, os que explodem e deixam uma nuvem de gás tóxico, os que atiram de longe, o tipo tanque, entre outros. Todos possuem um ponto fraco individualmente, mas no meio da ação quando você está sendo perseguido por um número grande, a única estratégia se resume a tentar não morrer. Uma pequena dica que já posso dar é: vá sempre em silêncio e tente matar a maioria de inimigos antes de dar o primeiro tiro. Além de poupar balas, irá deixar de perder vida logo no início e não irá alertar os outros alienígenas.

Vale dizer que grande parte de todos os ambientes são destrutíveis e isso servirá tanto como vantagem ou desvantagem. Tanto é possível fazer um novo caminho como os inimigos poderão te pegar de surpresa.

E agora chegamos no outro ponto que achei muito interessante no jogo, a morte. Normalmente ao morrer você começa de novo, certo? E tendo sucesso, você pode dar seguimento com o seu personagem. Na maioria dos jogos a resposta seria sim, porém, aqui o buraco é bem mais embaixo. Aplausos para a coragem dos desenvolvedores.

Se seu personagem morrer e não for resgatado pelos seus outros dois amigos de run, ele morre de forma definitiva e não poderá utilizá-lo. E como faz para pegá-lo de volta? Simples, volte ao mesmo mapa e torça para sair resgate de personagem (ou então apenas selecione essa missão). E lembrando o que falei anteriormente, uma coisa é a primeira missão e outra coisa é a mesma missão, porém, ela sendo feita como a última missão da run. Dificuldade é o que não falta.

Mortos e inativos

E mesmo tendo sucesso, se seu operador levar dano (o que ele certamente levará e muito) ele precisará de um tempo para se recuperar e poder ser usado. E sim, nós fizemos a exata pergunta que você está fazendo agora: Tem como eu dar um game over permanente ao perder todos os operadores e fracassar quando for tentar resgatá-los? Embora teoricamente a resposta seja sim, nos foi passado pelo time de desenvolvimento que a chance disso acontecer é quase nenhuma.

Verdade seja dita, por mais que tenhamos sofrido e muito em nossa gameplay, depois de umas três horas de jogo, já conseguimos fazer missões passando menos vergonha e começamos a conseguir resgatar operadores perdidos. Mas uma realidade é que você não terá como se especializar apenas em um operador. Será necessário masterizar alguns personagens assim como estratégias para sempre poder continuar com o jogo com eficiência.

Conclusão do preview de Rainbow Six Extraction

Essa primeira experiência durante o preview de Rainbow Six Extraction foi muito interessante. A utilização dos operadores da franquia é muito legal, pois abre o leque para inúmeras estratégias. A comunicação entre os jogadores é mais importante do que nunca e a ambientação está fabulosa.

Esse aparentemente é o tipo de jogo que irá recompensar os jogadores mais hardcores, que vibrarão insanamente com um excelente jogo de equipe e conclusão dos objetivos. Por outro lado, sua dificuldade bem elevada e falta de um grupo fixo para jogar, poderá afastar os jogadores mais casuais.

E se tem algo que eu achei que poderia ter no jogo é a possibilidade de utilizar o ambiente em seu favor. Infelizmente não existem interações no ambiente além de abrir ou fechar portas e reforçar as paredes que são destrutíveis.

Quando a versão final de Rainbow Six Siege for lançada nós iremos dar o veredito final sobre o jogo por aqui. Mas até lá, se curte a franquia e um bom desafio, saiba que a chance de se decepcionar é mínima!

Leonardo Coimbra

Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.
Botão Voltar ao topo