Preview: Souldiers é um metroidvania indie de respeito

E aposto que vai agradar

Em desenvolvimento pela Retro Forge e com a publicadora Dear Villagers, chega dia 19 de maio Souldiers, um game metroidvania indie com elementos de RPG e visual retro em 16 bits. Será que essa mistura de elementos vai conquistar? Tivemos acesso antecipado e vamos dizer o que achamos. Venha conferir o que achamos em nosso preview de Souldiers.

O game estará disponível para PC via Steam, Playstation 4 e 5, Xbox One e Series e Switch e conta com legendas e interface em PT-BR.

Esse preview de Souldiers foi feito graças a um código antecipado cedido por sua distribuidora.

A mitologia nórdica de uma forma diferente

A história de Souldiers começa em Zerga, uma das três nações que governam o continente de Ascil. O conselho do rei está reunido para debater uma guerra que estar por vir. Arkzel, o feiticeiro real, dá uma ideia para o rei: colocar tropas em guarda em um desfiladeiro para fazer uma emboscada ao exército inimigo. Contudo, um terremoto acaba causando um desmoronamento, enterrando a todos na completa escuridão. Logo após, uma Valquíria surge e informa ao exército que estamos em um limbo entre a vida e a morte. E que pode, ainda assim, nos transportar para uma terra chamada Terragaya. Nesse local poderemos viver uma nova vida e conquistar glórias e poder.

Assim como na mitologia nórdica – na qual vikings acreditavam que ao morrer em batalha eles eram transportados pelas valquírias para Valhalla – Souldiers segue o mesmo rumo. Isso fica ainda mais evidenciado no início do game, quando encontramos Liandris, matriarca das valquírias. Ela nos informa que devemos encontrar o guardião dessa terra e, com isso, nos tornarmos o campeão do Raganrok, ganhando poderes inimagináveis.

Um charmoso cenário em 16 bits

Seguindo o caminho de muitos games indies, Souldiers possui um visual no melhor estilo retrô em 16 bits. Ainda assim o game está muito bonito e bem-feito. A atenção e o carinho aos detalhes ficam evidente em cada personagem, inimigo e ambiente que exploramos. Por exemplo, é possível notar que até os fundos do cenário possuem vida, com aranhas e animais silvestres passando de um lado para outro.

Esse carinho também se encontra nas animações, estando muito bem-feitas e fluidas. E não pensem que é apenas no nosso personagem, mas também em todos os inimigos e aliados que encontramos. Minha única crítica aqui seria em alguns efeitos que, por estarem um pouco exagerados, atrapalha um pouco o combate. Principalmente como guerreiro, que precisa acertar o timing da defesa para executar ataques especiais.

Souldiers é uma mistura agradável de elementos – Preview

Como já mencionado, Souldiers é um metroidvania com elementos de RPG e possui uma jogabilidade relativamente simples. Podemos escolher entre 3 personagens para jogar: um mago, um arqueiro e um guerreiro. Cada um conta com um estilo de jogo e habilidades únicas que se demonstram mais e menos eficientes em algumas situações. Por exemplo, o arqueiro ataca a distância, mas tem um dano menor e precisa aguardar um tempo para recarregar as flechas. Já o guerreiro, tem um dano mais forte e pode atacar à vontade, mas precisa se aproximar, o que o deixa mais vulnerável aos ataques inimigos.

Contamos com 2 tipos de ataques que mudam drasticamente entre os personagens. Enquanto o arqueiro dispara flecha com um e arremessa o próprio arco com o outro. O guerreiro conta com um ataque rápido mais fraco e outro mais forte, porém lento. Todos contam com esquiva e defesa, no entanto a segunda gasta estamina e pode ser quebra e até mesmo ficar inutilizada por um tempo caso não dermos um intervalo no seu uso.

Da mesma forma, cada personagem conta com habilidades que vão sendo liberadas conforme avançamos de nível. Essas habilidades utilizam energia que podemos recuperar com itens e drops dos inimigos. Quando avançamos ganhamos pontos de relíquias que são utilizadas exatamente para liberar essas e outras habilidades. O elemento RPG do game está exatamente nesse avanço, onde também ganhamos aumento de dano, vida, energia etc. O que acabei não gostando muito é a velocidade na qual evoluímos e liberamos essas habilidades. Com mais de 3 horas de game só cheguei no level 8 e aprendi apenas duas habilidades. Sendo que a árvore de evolução é relativamente extensa.

Imersão auditiva aos videogames retros

Falando de sua trilha sonora, Souldiers entrega algo muito agradável e nostálgico. Para os da velha guarda, a sensação que eu tive é que de estar jogando um game do meu queridíssimo mega drive. Essa sensação também pode ser sentida nos efeitos sonoros. O único problema é que, assim como nos games clássicos antigos, existe uma repetição um pouco enjoada nas músicas. No entanto, esse impacto só acontece após horas de jogatina – o que não foi difícil de acontecer ao jogar Souldiers.

Conclusão do preview de Souldiers

Souldiers está, definitivamente, conquistando o que almeja. Com uma história interessante e um visual agradável, percebi que foi fácil se perder por horas dentro do game. Seu mix de estilo metroidvania com RPG está muito bem implementado. Só acredito que a evolução do personagem poderia ser um pouco mais rápida, mas isso não atrapalhou em nada a minha experiência. Admito fazer parte do grupo que espera ansiosamente para ver o resultado final e para as possíveis atualizações futuras.

Guilherme Segal

Apaixonado por games desde o Atari. Curte tanto PC que possui quase 800 jogos na Steam. Mas ainda acha que os games de hoje em dia não possuem o mesmo charme dos antigos, motivo pelo qual ainda joga Heroes of Might and Magic 2 até hoje.
Botão Voltar ao topo