Preview: V Rising é um clássico survival com vampiros

E, felizmente, os vampiros são os clássicos também

Em desenvolvimento pela Stunlock Studios e tendo como sua publicadora a mesma, V Rising é um survival com estilo clássico onde controlamos um vampiro que despertou e quer retornar ao poder. Com tantos survivals novos no mercado, será que essa premissa diferenciada continuará a ganhar ainda mais destaque do que já vem recebendo? Venha conferir o que achamos em nosso preview de V Rising.

O game está disponível em acesso antecipado para PC via Steam, e conta com legendas e interface em PT-BR.

O clássico vampiros x humanidade

Como a maioria dos survivals no mercado, V Rising tem um foco maior em sua gameplay do que em história, trazendo algo simples, mas suficiente. Temos inicialmente um vídeo introdutório simples narrando que no passado os vampiros dominavam as terras e controlavam as noites. Mas, em algum momento, os humanos se rebelaram e acabaram com esse domínio.

A princípio, escondidos em tumbas empoeiradas durante séculos e colocados em um sono profundo. Os vampiros despertam após séculos e agora procuram recuperar seus poderes e subjugar, novamente, a humanidade. Desse modo, e com esse objetivo em mente, despertamos de nosso sarcófago e saímos para um cemitério cheio de mortos vivos. É aqui aonde começamos nossa busca por poder e o controle das terras de Vardoran.

Preview: V Rising

Ambiente gótico e variado

A princípio, V Rising pode parecer ter uma ambientação simples e repetitiva. Isso se dá pelo fato de termos que ficar algum tempo explorando e coletando recursos na mesma região para podermos evoluir. Porém, essa impressão é rapidamente removida conforme avançamos no game. Começando por florestas verdes e bonitas, passando por cidades, regiões áridas, montanhas nevadas e florestas sombrias. Existe uma variedade muito boa, contrariando nossa impressão inicial.

V Rising não é uma produção gigantesca, então seu gráfico é simples, mas agradável. Suas animações também não passam longe disso, possuindo poucos aspectos visuais negativos como um todo. O maior deles, por exemplo, é sua câmera isométrica que não seria um problema não fosse a densidade dos ambientes. Embora seja criado uma transparência nos objetos ao mudarmos a posição, ainda assim, em alguns momentos, eles atrapalham bastante a visibilidade. Principalmente nas batalhas contra chefes, na qual precisamos nos mover freneticamente para evitarmos seus ataques.

Explorar, coletar, sobreviver e drenar

V Rising é um survival clássico, passamos a maior parte do tempo coletando recursos, refinando e construindo nossa base, mas essa semelhança acaba aqui. Como já mencionado, jogamos com um vampiro, mas não é daqueles que brilham no sol e sim os clássicos que queimam ao se expor. Portanto, temos uma via dupla aqui, por um lado contamos com vários poderes referente a nossa herança sanguínea, por outro, temos também suas fraquezas. O game também brilha em seu multiplayer, aonde podemos entrar em servidores de mundo aberto. Nos aliar ou combater outros vampiros, criarmos nosso clan e enfrentar as ameaças desse mundo juntos.

Resumindo sua jogabilidade, V Rising traz um esquema de evolução muito bacana. Nosso objetivo é subir ao poder novamente e para isso precisamos, literalmente, farejar o sangue de heróis para derrotá-los e drenar seus poderes. Dessa forma nossos poderes aumentam e nosso conhecimento também. Assim como a capacidade de construirmos estruturas mais avançadas e equipamentos mais poderosos liberando – e facilitando – o acesso a chefes mais fortes e difíceis. Por fim, podemos criar serviçais com os humanos dominados. Esses podem ser ordenados a pegar recursos ou defender nosso lar.

As dores e os prazeres de ser um vampiro

Como mencionado anteriormente, em V Rising interpretamos um vampiro clássico. Isso significa que devemos nos precaver contra seus “vilões” tradicionais. As caçadas devem ser evitadas durante o dia, pois o sol é fatal. Até podemos utilizar as sombras, porém isso funciona apenas como um paliativo. Experimente enfrentar um inimigo poderoso tendo que correr para debaixo de uma sombrinha qualquer enquanto desvia de seus ataques. Também devemos evitar a prata que é, ironicamente, um dos materiais mais poderosos do game, mas o simples carregar já nos causa ferimentos constantes. Assim como o que é “divino” nos é fatal, fazendo com que áreas e inimigos sagrados sejam mortais.

Felizmente, também temos a diversão de ser um vampiro. Apesar da sede por sangue poder parecer um problema no início, ela também nos garante mais força. Ao drenarmos um inimigo, ganhamos bônus de acordo com sua classe e com a qualidade do seu sangue. Também ganhamos novos poderes e habilidades conforme avançamos no game. Esses poderes incluem magias poderosíssimas que causam estragos enormes ou nos protegem, a capacidade de nos transformarmos em animais e – o mais divertido – em humanos. Essa última nos permite frequentar suas cidades e interagir com comerciantes sem sermos atacados, mais um adendo interessantíssimo do game.

O áudio V Rising faz o seu trabalho – Preview

Falando de sua trilha e efeito sonoros, V Rising consegue fazer seu trabalho. Embora não escutemos nada épico e marcante, a trilha sonora do game consegue entregar bem a ambientação e uma certa imersão. Como exemplo, ao estarmos “tranquilos” em nosso castelo, ou andando pelo mapa, podemos ouvir uma música suave e gótica. Da mesma forma que ao entrarmos em combate, ela se torna mais intensa e agitada.

Os efeitos sonoros dos ataques, magias, transformações etc. também são bem padrões. O que acaba se destacando um pouco mais são comentários dos chefes. Eles fazem ameaças e provocações condizentes a sua função ao combatê-los – mas infelizmente é necessário entender inglês para entendê-los.

Preview: V Rising

De qualquer forma, alguns detalhes que o game traz entregam um pouco mais de imersão para esse universo vampiresco. Por exemplo, ao “sugarmos” o sangue de algum adversário, mesmo que a representação visual não seja de um vampiro mordendo e sugando, é possível ouvir o som de líquido sendo engolido. Outro exemplo é o barulho de fritura – que vai escalando até o ponto de incêndio – quando ficamos expostos tempo demais ao sol.

Conclusão da nossa preview de V Rising

Em conclusão, V Rising é um excelente game para quem gosta do universo dos vampiros. Assim como para os fãs de survival. Se for fã dos dois elementos então, nem espere mais.

Embora sua história seja bastante secundária – como a grande maioria dos survivals no mercado, sua ambientação e cenário estão incríveis e bastante variados. Sua jogabilidade é, de longe, um dos seus maiores destaques. Trazendo a clássica coleta de recursos e construção de base, com a sobrevivência, não apenas contra o mundo, mas também contra nossa condição vampiresca.

Somado a tudo, temos sua trilha sonora que é agradável – embora não incrível – e ajuda a nossa imersão nesse universo. Em conclusão, V Rising é um game que já entrega bastante conteúdo e diversão. E, por ainda se encontrar em acesso antecipado, podemos esperar ainda mais melhorias e conteúdo no futuro.

Guilherme Segal

Apaixonado por games desde o Atari. Curte tanto PC que possui quase 800 jogos na Steam. Mas ainda acha que os games de hoje em dia não possuem o mesmo charme dos antigos, motivo pelo qual ainda joga Heroes of Might and Magic 2 até hoje.
Botão Voltar ao topo