Análise: .Hack// G.U. Last Recode é uma excelente coletânea de um excelente jogo

.Hack// G.U. foi lançado originalmente entre 2006 e 2007 para PS2 e sua premissa era dar continuidade ao mundo de .Hack criado em 2003. Este jogo apresentava ao jogador uma ideia muito interessante e ousada: Simular um MMO, porém, em um jogo offline.

Entre os anos de 2006 a 2007, a Bandai Namco lançou os três jogos do arco G.U., cada um com uma história densa com diversos personagens. Hoje, em 2017, comemorando 15 anos da franquia, a Bandai resolveu relançar o arco G.U. totalmente remasterizado e com uma surpresa, mais um novo capítulo para o jogo.

Para quem nunca ouviu falar de .Hack, mas é fã de Sword Art Online, lhes apresento seu pai.

.hack//G.U. Last Recode_20171101193428
Bonito, será?

O patrão ficou maluco, 4 pelo preço de 1

Falar da história de .Hack// G.U. é relativamente fácil, pois a Bandai lançou um jogo por vez, totalizando três jogos completos que podem ser terminados com cerca de 25 horas de jogo. O problema é falar de quatro jogos da mesma coletânea sem dar spoiler em que um é continuação direta do outro. Mas vamos ver o que eu consigo fazer aqui:

Vol. 1//Rebirth

Aqui é onde tudo começa. Você irá controlar o jogador Haseo, conhecido por ser o “Terror of Death”. Ele ganhou esse título por ser um PKK (Player Killer Killer), ou seja, ele foca em matar jogadores que matam jogadores. Essa sua busca implacável por “justiça” é explicada por seu passado, no qual após entrar no jogo ele foi encontrado por dois jogadores que o ajudam e depois o traem.

Embora essa seja parte de sua história, existe uma outra parte, a busca implacável por Tri Edge, o PK hacker que matou sua amiga Shino. Ela se encontra em coma no mundo real, além de ter diminuído seu nível de 133 para 1 após uma luta. E é aqui que o jogo brilha, na necessidade de interação de Haseo com as outras pessoas.

.hack//G.U. Last Recode_20171101234827
Haseo, seu mal educado

Tendo seu nível reduzido para 1, Haseo precisará recuperar sua força para enfrentar Tri Edge e, para tal, fará novas amizades. Durante todo o game existe o embate entre o rancoroso Haseo, que vê o “The World” (o nome do jogo) como um simples jogo e com objetivo único de obter poder, com os novos amigos e relacionamento que ele vai nutrindo ao longo de sua aventura.

Vol. 2//Reminisce

Driblando todos os spoilers possíveis, o primeiro jogo Rebirth acaba com muitos problemas. Os problemas são tão grandes que o vírus AIDA acaba fazendo todos os jogadores de refém sem poderem sair do jogo e voltar para a vida real. Vale dizer que para quem jogou o .Hack original de 2003, existia o mesmo problema.

Agora Haseo não é mais aquele cara tão ranzinza e irá trabalhar com seus amigos para resolver os problemas do “The World”. Existem muitos plot twists nesse jogo e coisas que não posso falar, como acontecimentos de personagens que vou me calar também.

.hack//G.U. Last Recode_20171102184741
AIDA, seu vírus zombeteiro

Vol. 3//Redemption

Aqui o bagulho ficou maluco! Queria muito poder falar algo sobre a história, mas não tenho como. Só posso dizer que o vírus AIDA já é completamente conhecido por todos e corrompe muitos jogadores. Isso faz com que Haseo tenha que se levar ao limite diversas vezes e tenha que participar de muitas lutas mortais que ele não lutaria normalmente. Será que o final é feliz? Bem, não posso dizer nada, pois será spoiler, mas aqui toda a complexidade do jogo é mostrada (inclusive com alguns links com o primeiro .Hack)

.hack//G.U. Last Recode_20171102202446
A igreja ganhou um belo tapa visual

Vol. 4//Reconnection

Esse é o novo capítulo que a Bandai trouxe para essa remasterização. Utilizando os mesmos assets do jogo, ele é uma excelente expansão para o mundo de .Hack// G.U. Reconnection, e acontece um ano e três meses após o último volume do jogo. Haseo volta a se encontrar com seus amigos e seu objetivo é rápido e sucinto, encontrar seu amigo Ovan, que está congelado em um bloco de gelo em uma caverna perdida.

Vendo que os poderes do jogo não são o suficiente, ele começa a buscar novos poderes até que se depara com uma nova personagem chamada Kusabira, que pode ter informações sobre como salva Ovan. Contudo, como não existe almoço grátis, Haseo deverá ajudá-la a enfrentar o monstro Vegalta, que está atacando a Netslum (uma espécie de beco do jogo/internet).

.hack//G.U. Last Recode_20171102210158
Bichinho feio esse inimigo novo….

E isso tudo acontece com um senso de urgência, pois os fatos passados nos três primeiros jogos desestabilizaram o servidor e a CC Corp, empresa que gerencia o jogo, decidiu descontinuar o “The World” no fim do ano.

Melhorias e novidades

É claro que a maior e mais importante novidade é o novo arco do jogo Reconnection. Na realidade é válido dizer que os quatro arcos do jogo levam a um gameplay total com mais de 80 horas de jogo somente para fazer o básico. Caso queira fazer side quests, upar e muito mais, você vai jogar tranquilamente mais de 100 horas.

Uma novidade que a Bandai trouxe para este jogo foi o “modo mamão com açúcar”. Brincadeiras a parte, o jogo é focado em história e muitas vezes você largará o controle e ficará vendo as tretas os acontecimentos e conversas. Para quem quer somente aproveitar da história e ignorar a parte de upar, é possível escolher esse modo, onde você será invencível e irá prosseguir com mais velocidade na história.

.hack//G.U. Last Recode_20171102102711
Especial na hora certa

O modo paródia foi mais uma das adições para esta versão. Será possível rever diversos vídeos de acontecimento do jogo, só que com falas trocadas por coisas sem noção ou engraçadas. São vídeos rápidos com poucos minutos, alguns legais e outros nem tanto.

Por fim, temos a melhora “feijão com arroz” de todos os remasters: Texturas melhoradas, melhor iluminação, 60fps e 1080p. Realmente, você pode ver que o jogo está melhor que a versão original sim, porém, eu não notei uma melhora visual tão significante quanto em outros remasters. Isso em momento algum é ruim ou atrapalha o jogo, mas posso dizer que esperava uma qualidade um pouco melhor na parte gráfica (posso estar mal acostumado com todos os novos jogos).

.hack//G.U. Last Recode_20171102002818
Chefão “padrão” do jogo

Um MMO offline

Como falei acima, .Hack// G.U. simula o jogo MMO chamado de “The World”. Nele, será possível fazer muitas das coisas que se pode fazer em um RPG/MMO normal:

  • Terá quests, side quests e eventos para fazer;
  • Muito loot disponível
  • Level up e novas técnicas
  • Upgrade de classe e, posteriormente, multi classe
  • Muitos parceiros de classes diferentes para fazer parties de três pessoas
  • Torneios de “pessoas x pessoas”
  • Troca de itens e negociação dos mesmos
  • Troca de e-mails e fóruns oficiais da comunidade

No geral, .Hack// G.U. é um jogo bem completo e traz muito conteúdo em sua história. O que pode acabar incomodando alguns jogadores é que ele é linear e seu gameplay é de mais de dez anos atrás. Ou seja, ele não irá lhe apresentar a gama de opções que os jogos de hoje lhe dão. Mas, particularmente, após jogar dezenas de horas, não senti que isso afetou o jogo, afinal de contas, sua história é tão boa que te vicia e te faz jogar cada vez mais.

.hack//G.U. Last Recode_20171102202624
Espera ai menina, não vai não

Conclusão

.Hack// G.U. Last Recode é uma homenagem que chega cheia de nostalgia e conteúdo tanto para os fãs da série quanto para quem os leigos. Recomendo o jogo especialmente para fãs de Sword Art Online, pois . Hack já trazia a mesma proposta uma década atrás.

No geral, sim, esse jogo deve ser jogado por todos que gostam de uma excelente história com ótimos personagens. Sem contar que a Bandai trouxe quatro jogos completos pelo preço de um. Os pontos “negativos” acabam sendo limitações que o jogo já tinha quando foi lançado para o PS2.

notas

Publicado
Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.