Análise: HyperX Pulsefire FPS esbanja no conforto e surpreende na sua simplicidade

A HyperX é conhecida por seus produtos de alta qualidade e 2017 marcou a empresa em muitas novas empreitadas. Uma delas foi o lançamento de seu primeiro mouse gamer, o Pulsefire FPS que é focado nos jogos de FPS.

Seguindo o padrão de embalagem da empresa, o mouse vem uma caixa estilosa e muito bem protegida para o mouse não “sambar” dentro dela. Ao abrir a caixa eu tive um impacto inicial um tanto negativo, pois o design do Pulsefire FPS era antiquado e se difere muito do que vemos no mercado. Enquanto muitos mouses são bem estilosos e modernos, o Pulsefire FPS tem uma cara bem antiga, chegando a me remeter ao tempo que o mouse tinha bolinha nele (sou desse tempo meus amigos). Mas até ai foi uma primeira impressão completamente visual e sem nenhuma relevância muito grande. O importante foi que depois de utilizar o mouse por um pouco mais de 5 minutos, eu já me sentia completamente confortável com ele minha mão abraçava ele completamente.

IMG_5471

O Pulsefire FPS tem uma parte emborrachada em cada lateral que evita possíveis deslizamentos de seus dedos. Além disso, seu corpo é composto por uma espécie de plástico emborrachado/polido que evita deslizamentos e é extremamente confortável ao toque. Por eu ter uma pegada do mais puxada para o estilo Palm, minha mão foi absorvida pelo mouse e ele acabou proporcionando um conforto absurdo. Em termos de pegada/conforto eu uso o G 402 da Logitech e ele é muito bom, mas posso garantir que hoje estou tendo uma “pegada mais prazerosa” com o Pulsefire FPS,

Agora falando um pouco de seus botões, ele segue o padrão do mercado com 6 botões. Aqui existem 3 diferenciais. O primeiro seria a qualidade do produto que dá uma maior durabilidade ao Pulsefire FPS. Não somente no mouse, mas também em seu cabo que é revestido. O segundo ponto a ser notado são seus botões laterais que são bem rentes ao corpo do mouse ao invés de se destacar dele. Além disso, esses mesmos botões ficam um pouco acima do padrão para evitar possíveis toques involuntários. Por fim, o botão de dpi vem programado para 4 resoluções 400/800/1600/3200 onde cada uma tem uma cor diferente (branco, vermelho, azul e amarelo). Isso acaba ajudando a identificar o dpi que está utilizando. Infelizmente o mouse não conta com um software próprio para ou alterar esses valores de dpi fixo, ou para configurar os botões que possui. O sensor do mouse permite que ele chegue até a 5000 dpi, mas com essa limitação já informada, não será possível alcançar “todo seu poder”.

IMG_5469

Por fim, tenho obviamente que falar de como o mouse funciona em sua resposta nos jogos e no PC. Dentro dele a HyperX conta com uma boa solução custo benefício ao trazer o sensor Pixart PMW 3310 de 2013. A sensibilidade dele é muito boa e a resposta é imediata tanto para o dia a dia como para movimentos mais bruscos e necessários em um jogo de FPS. Sinceramente não tenho o que reclamar do Pulsefire FPS neste quesito que funciona muito bem.

IMG_5465

Conclusão

Uma curiosidade desta análise é que se eu tivesse feito ela junto com o lançamento do produto, eu iria apontar que seu preço de lançamento de R$ 350 estaria acima do que consideraria justo para este mouse. Porém, por eu estar fazendo esta análise já em 2018, temos este problema já sanado e é possível encontrar o HyperX Pulsefire FPS por um preço entre R$200 e R$250.

Por mais que seu design visual seja antiquado, ele apresenta um conforto inesperado e é muito bom conduzi-lo por horas em sua sem nenhum problema. Além disso, a resposta dele é igualmente boa e acaba pecando por não ter um software próprio para customizá-lo.

notas

Especificações técnicas:

– Ergonômico: para destros

– Sensor Pixart: PMW3310

– Resolução: 400/800/1600/3200 dpi

– Velocidade: 130i ps

– Aceleração: 30G

– Botões: 6

– Comprimento do Cabo: 1,8m

– Interruptores dos botões Esquerdo / Direito: Omron

– Durabilidade dos botões Esquerdo / Direito: 20 milhões de cliques

– Luz de fundo: cor única, vermelho

– Tipo de conexão: USB 2.0

– Taxa de Votação (taxa de captação): 1000 Hz

– Formato de dados USB: 16 bits / eixo

– Coeficiente dinâmico de atrito: 0,21 μ *

– Coeficiente estático de atrito: 0,16 μ *

– Tipo de cabo: trançado

* Testado com o mousepad HyperX FURY S Pro Gaming.

Publicado
Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.

2 thoughts on “Análise: HyperX Pulsefire FPS esbanja no conforto e surpreende na sua simplicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *