BIG FESTIVAL 2019: Conheça os vencedores

Apesar do Última Ficha não ter cobrido o BIG Festival neste ano, evento brasileiro de peso mundial sobre jogos independentes, ainda assim ficamos de olho no que acontece. A cena independente tem crescido muito e com participação forte dos jogos e desenvolvedoras brasileiras. Segue abaixo a lista de games vencedores. Se você for de São Paulo o evento ainda está rolando hoje com a possibilidade de jogar os premiados e outros games.

Participaram da competição 54 jogos de 22 países: África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Japão, Malásia, Noruega, Reino Unido, República Checa e Suíça.

Veja a lista completa de ganhadores:

Melhor Jogo

GRIS (Nomada Studio), da Espanha

Justificativa do júri: “Completo em todos os aspectos, este jogo proporciona uma experiência emocional singular”.

Melhor Jogo Brasileiro

Adore (Cadabra Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Contando com uma direção de arte interessante e jogabilidade fluida, o jogo representa bem o crescimento do cenário de desenvolvimento de games brasileiros”.

Melhor Jogo da América Latina

Quantum League (NGD Studios), da Argentina

Justificativa do júri: “Com produção criativa e muito bem executada, o game promove uma releitura interessante do gênero FPS”.

Melhor Arte

GRIS (Nomada Studios), da Espanha

Justificativa do júri: “O jogo é, em si mesmo, uma obra de arte”.

Melhor Narrativa

Forgotton Anne (ThroughLine Games), da Dinamarca

Justificativa do júri: “Com um mundo imersivo e um voice acting emocionante, o game trabalha de maneira completa os aspectos narrativos de um jogo”.

Melhor Gameplay

JUMPGRID (Ian MacLarty), da Austrália

Justificativa do júri: “Ele é super divertido, fácil de aprender, com uma curva de dificuldade progressiva, que torna o jogo tão desafiador quanto viciante”.

Melhor Som

Unheard (NEXT Studios), da China

Justificativa do júri: “Tem sólido conceito de criação, utilizando os elementos sonoros como parte essencial das mecânicas do jogo.”

Inovação

Pixel Ripped 1989 (ARVORE Immersive Experiences), do Brasil

Justificativa do júri: “Interessante proposta de metagame, que aproveita ao máximo as potencialidades espaciais e mecânicas da realidade virtual”.

BIG Impact: Educacional

Cidade em Jogo (Fundação Brava e Flux Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Proposta bastante relevante para a educação política. Destaca-se ao exigir do jogador competências como reflexão sobre os desafios e priorização de tarefas”.

BIG Impact: Questões Sociais

Marie’s Room (like Charlie), da Bélgica

Justificativa do júri: “Uma narrativa muito bem construída, aliada ao impressionante voice acting, garantem a este jogo um potencial de impactar e discutir questões relevantes a partir de uma perspectiva feminina e atual”.

BIG Impact: Melhor Jogo de Diversidade

Huni Kuin: Yube Baitana (Bobware/Beya Xinã Bena), do Brasil

Justificativa do júri: “Destaca-se ao promover o povo Kaxinawá, trazendo elementos de sua cultura para a construção do jogo. Visibilidade fundamental no cenário contemporâneo”.

Melhor Jogo de Estudante

Burning Daylight (The Animation Workshop), da Dinamarca

Justificativa do júri: “Com uma atmosfera imersiva aliada com incrível direção de arte e narrativa, este jogo revela que a criatividade e a vitalidade dos games de estudantes estão atingindo um patamar cada vez maior”.

Melhor Jogo Mobile

Starlit On Wheels (Rockhead Studios), do Brasil

Justificativa do júri: “Bem desenvolvido e otimizado para plataformas mobile, o game se destaca pelas personagens carismáticas e excelente sistema de customização”.

Melhor Multiplayer

Spitlings (Massive Miniteam GmbH), da Alemanha

Justificativa do júri: “Com uma produção cuidadosamente executada, o jogo garante uma divertida experiência couch fun com os amigos”.

Melhor Jogo Infantil

It’s Paper Guy! (The Paper Team), da França

Justificativa do júri: “Divertido e cheio de personalidade, o jogo cativa crianças de todas as idades”.

Melhor Jogo XR/ VR

Moss (POLYARC GAMES), dos Estados Unidos

Justificativa do júri: “Com personagens carismáticos, gráficos surpreendentes e desafios interessantes, Moss expande os conceitos de desenvolvimento para realidade virtual”.

BIG Brands

Authentic Game Oficial (Little Giants Studio), do Brasil

Justificativa do júri: “Agrega grande valor ao cliente por meio de um jogo divertido, completo e cativante”.

Humble BIG New Talent Award

Space Routine (Menic Games), da Argentina

Nordic Game Discovery Contest

Grashers (Pink Array), do Brasil

Melhor Jogo pelo Voto Popular

Spaceline Crew (Coffeenauts), do Brasil

Mostrar mais

Ricardo Carvalho

Ricardo Carvalho é escritor, desenhista, filósofo de sofá, cineasta frustrado e ativista pela aceitação mundial de que videogame é arte. Redes: twitter.com/perfilricardoc, instagram.com/perfilricardoc.
Botão Voltar ao topo
Fechar