Overwatch Worldcup: Entrevista com KRK da Black Dragons

Depois de muita discussão sobre os escolhidos para representar o país na Copa do Mundo de Overwatch, demos a oportunidade para Rodrigo “KRK” Krober, o support da equipe da Black Dragons, dizer o que ele achou da participação do Brasil no torneio.

Thiago Lyra: Olá, KRK! Obrigado por participar dessa entrevista com o Última Ficha.

Como você sabe, após o jogo entre Brasil e Suécia, escrevi uma matéria com a minha opinião sobre os selecionados para participar da seleção do Overwatch brasil. Como você resolveu se manifestar após perguntas de algumas pessoas no grupo do Facebook sobre esse assunto, eu gostaria de saber qual a sua opinião sobre os jogadores selecionados para votação e os convocados para representar a seleção ?

KRK: Quando se fala em seleção brasileira, passamos a ideia de que lá estão os melhores jogadores para representar o país, e infelizmente não foi o que ocorreu. Eu particularmente achei a seleção fraca. Pode-se dizer que o Kyo e o Soulive fazem parte da lista dos melhores jogadores do país. Insanityz e Nextage são bons jogadores, possuem boa noção de jogo e tiveram atuações sólidas, mas existem jogadores mecanicamente melhores. Flawz e BRKsEDu, não deveriam ter sequer participado da votação.

Thiago Lyra : Você que acompanhou os jogos, acredita que se os Brasil tivesse levado os melhores jogadores do país, nós teríamos alguma chance de nos classificar?

KRK: Sim. Por mais que o jogo seja novo, nós temos um cenário competitivo forte no Brasil. Possuímos excelentes jogadores que migraram de  jogos similares ao Overwatch e que poderiam ganhar as partidas contra as seleções do nosso grupo. Se não quisessem levar um time totalmente pronto, um mix formado pela Black Dragons, Keep Gaming e Joséaldofantasy teria sido capaz de ganhar da Espanha e Canadá. Contra a Suécia, faríamos um jogo bem disputado, mas acho que uma vitória seria difícil.

Thiago Lyra: Overwatch ainda pode ser considerado um jogo novo. Você acha que a escolha do BRKsEDU foi uma boa aposta de marketing para trazer visualizações para o cenário competitivo?

KRK: Depende do ponto de vista. A presença do BRKsEDU trouxe espectadores, um interesse maior do público e dos patrocinadores sobre o Overwatch, mais memes conteúdo foi gerado, mas por se tratar de uma produtora como a Blizzard, o evento em si, uma Copa do Mundo, já era atrativo suficiente para o público. Especialmente falando de Brasil, em que o povo dá muito valor ao resultado, um time forte, uma vitória contra os melhores jogadores do mundo, poderia ser um marketing mais efetivo.

Thiago Lyra: Você acredita que a má atuação da seleção no campeonato pode de alguma forma ferir a imagem do cenário competitivo no brasil?

KRK: Sim, tomamos uma surra de todos os times. Passamos para os espectadores e as pessoas que não estão antenadas no cenário competitivo a impressão de que o Brasil não possui jogadores de alto nível. Além disso, viramos piada no Reddit, Twitter, Twitch, Facebook, etc…Ninguém quer ver o país passando vergonha em um evento internacional. Quantas pessoas que assistiram aos jogos estão achando que Overwatch é só mais um jogo em que o Brasil vai ser um fracasso? Vamos ter muito trabalho para conquistar alguma credibilidade após essas derrotas.

 

Publicado
Sonhou um dia ser jogador profissional de e-sports. Tentou Team Fortress2, Dota2, Counter Strike, mas devido a falta de habilidade e a idade avançada, virou redator e animador de festa infantil.

One thought on “Overwatch Worldcup: Entrevista com KRK da Black Dragons

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *