Análise: Dragon Quest XI: Echoes of a Elusive Age – Siga a nova lenda do Luminary

Dragon Quest é uma lendária franquia de RPG que conta com as artes de Akira Toriyama, o criador de Dragon Ball, e sempre fez muitos fãs de anime perderam a cabeça, pois Kentaro Miura (desenhista e escritor de Berserk) e Yoshihiro Togashi (desenhista e escritor de Yu Yu Hakusho e o ainda lançado Hunter x Hunter) sempre deixam suas séries em hiato quando um novo Dragon Quest é lançado. Com o XI: Echoes of a Elusive Age não foi diferente, mas será que o game valeu a pausa desses dois mangás tão aclamados pelos fãs?

UMA NOVA LENDA

O plot envolvendo Dragon Quest sempre se baseou no herói lendário com o dever de derrotar o lorde demônio, porém, no decorrer da série sempre houve mudanças nos títulos e decorrer da narrativa fazendo com que essa jornada do herói não caísse na mesmice. Desta vez temos uma história um tanto singular que conta sobre um reino em que o lendário herói Luminary reencarnou no filho do rei, contudo, não foi recebido de braços abertos por seu pai e os outros membros do conselho real, pois acreditavam que a vinda do herói significava a vinda do mal. Para dar um fim neste mal antes que ele surgisse, tomaram a decisão que o bebê deveria morrer para que este confronto de luz e trevas viesse apenas na próxima reencarnação. Graças a rainha, a criança conseguiu sobreviver e ser encontrada por uma aldeia onde cresceu e anos mais tarde ao descobrir quem era pode retornar ao castelo na esperança de ser bem recebido e poder cumprir seu dever como Luminary. Infelizmente as coisas não foram como planejado… Invés de ser idolatrado como um salvador, temos o herói de Dragon Quest XI sendo visto como um agouro para o mundo.

A narrativa deste jogo é bem amarrada e não trás nenhum tipo de dialogo desnecessário. Eles conseguem desenvolver a relação de todos os personagens da equipe utilizando momentos próprios da história ou com pequeninos arcos referentes a tal personagem, o que acaba mostrando para muitos JRPGs atuais que para trabalhar a amizade de um grupo não é necessário lotar de diálogos com alivio cômico e situações que não são interessantes para o enredo geral.

TURNOS NÃO ESTÃO FORA DE MODA

Dragon Quest XI: Echoes of a Elusive Age também prova que RPG de turno não saiu de moda. Com um mundo enorme para explorar e muitos inimigos para enfrentar, o jogo manteve várias características de sua raiz mesmo buscando inovar em outras questões como o uso de cavalo e gráficos que são extremamente lindos, porém, não mudou o estilo clássico do sistema de batalha. Você pode optar por suas formas de “batalhar”, a primeira opção é dita como livre, pois você consegue andar pelo local que está ocorrendo o confronto, contudo, isso influencia em absolutamente nada; enquanto a segunda opção é dita como clássica onde temos os personagens fixados no chão e só optamos por suas ações. Sinceramente, o modo “livre” deixou a desejar, pois simplesmente você pode se movimentar e nada mais… Não existe nenhum bônus ou consequência referente ao seu posicionamento. Se Dragon Quest XI tem algum defeito, sinceramente é não terem se aprofundado nessa opção.

DRAGON QUEST XI: Echoes of an Elusive Age_20180906093337

UM MUNDO MARAVILHOSO

Como dito antes, o mundo de Dragon Quest XI:Echoes of a Elusive Age é grande e maravilhoso. Podemos ver o cuidado que tiveram em desenvolvê-lo e trazer cenários nada repetitivos. Contendo algumas quests para realizar e uma grande variedade de inimigos, você sente que sempre tem algo novo pela frente. Além disso, se impressiona com vários de seus cenários que ao mesmo tempo consegue mesclar realismo com animação lembra aquelas feitas pela da Pixar.

CONCLUSÃO

Dragon Quest XI: Echoes of a Elusive Age é incrível! Sua narrativa, seu mundo, seus personagens carismáticos, seus gráficos incríveis e suas músicas são todos ótimos. Não é a toa que Hunter x Hunter e Berserk pararam por tanto tempo quando o jogo saiu no Japão, pois sinceramente jogar apenas 1 hora por dia ou algo do gênero acaba sendo o mesmo que nada com tanta coisa que se tem pela frente.

{{

game = [Dragon Quest XI: Echoes of a Elusive Age]

info = [Lançamento: 04/09/2018]

info = [Produtora: Square Enix]

info = [Distribuidora: Square Enix]

plataformas = [PS4, PC e Switch]

nota = [5/5]

decisão = [Obrigatório para fãs de RPG]

texto = [Um incrível RPG]

texto = [que te deixa vidrado a todo instante]

positivo = [Narrativa bem construída]

positivo = [Personagens carismáticos]

positivo = [Gráficos incríveis]

positivo = [Sistema clássico de turnos]

positivo = [Ótimas músicas]

negativo = [Sistema livre não é aprofundado]

negativo = [Sou um fã de Hunter x Hunter]

}}

Anderson Mussulino

Publicitário louco por toda a cultura geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos que vem da terra do sol nascente.
Botão Voltar ao topo
Fechar