Análise: Monster Hunter World: Iceborne

Um mundo glacial a ser explorado em Monster Hunter World: Iceborne

Monster Hunter World é a nova fase do aclamado jogo de caça da Capcom, renovando e melhorando o desempenho e mecânicas que já tinham sido estabelecidas desde a época do saudoso Playstation 2. É inegável que essa nova fase surpreendeu o mercado ocidental a ponto do título ser indicado para Game of the Year de 2018. Como todo game de sucesso, conteúdo extra é algo que não poderia ficar de fora e para aumentar a vida útil (que já é longa) de Monster Hunter World, anunciaram a expansão Iceborne num bioma glacial. Obviamente causou expectativas sobre o conteúdo e dúvidas se isso seria apenas uma DLC com nome gourmet para justificar o preço. Agora, vamos finalmente descobrir se Monster Hunter World: Iceborne cumpre o que promete.

Monster Hunter World: Iceborne traz uma nova página desta história

Monster Hunter World: Iceborne traz uma nova campanha principal que se passa logo depois dos acontecimentos do jogo base e, devido a isto, só é possível jogar esta nova aventura após concluir o jogo base.

Tudo começa quando um grupo de Legianas é avistado numa área fora do habitual. Após realizar uma investigação, a quinta frota descobre que eles estão se locomovendo para um continente ainda inexplorado. Sem perder tempo, a Comissão de Pesquisa parte para desvendar esse mistério e abre um acampamento nesse novo continente de bioma gélido. O mistério envolvendo os Legianas vai muito além do que eles imaginam.

Confiram nossas dicas para se preparar para Iceborne

Em questão de narrativa, Monster Hunter World: Iceborne poderia facilmente receber o título de Monster Hunter World 2. A história é bem construídas e traz desenvolvimento para personagens da Comissão de Pesquisa, sendo que este desenvolvimento é até melhor do que vemos no jogo base.

Monster Hunter World: Iceborne

Se acreditam que a história se passa apenas nas terras gélidas, enganou-se. Iceborne traz muitas coisas além do frio de Curitiba.

Nova aventura, novo arsenal

Como todo bom caçador, é sempre importante estar preparado para os perigos que estão por vir. Devido a isso, em Monster Hunter World: Iceborne a nossa boa e velha atiradeira (slinger) agora possui mais funções para a prendedora (Clutch Claw) que vai nos lançar até o monstro fazendo algo similar de quando conseguirmos pular em cima deles e atacá-los com a faca. A diferença é clara, pois cada golpe gastará estamina e ao usar o mais forte, causará dano considerável quebrando uma parte dele para conseguir munição para a atiradeira. Outra função excelente é utilizá-la quando a caça está fugindo, pois existe a chance dela se revoltar e querer continuar o combate naquele mesmo local.

Monster Hunter World: Iceborne

Além disso, todas as armas e armadura ganharam novos rank, fazendo com que seu dano ou defesa ganhe um nível absurdamente maior do que o limite apresentado no jogo base. Falando das armas, todas receberam novos movimentos! Ampliando as possibilidades dos caçadores realizarem suas ofensivas. Enquanto as armaduras foram rebalanceadas e trazem uma gama maior de habilidades , possibilitando que você desenvolva melhor suas builds.

Não posso esquecer de comentar que agora você pode montar em criaturas médias, porém, deve tomar cuidado para que eles não te derrubem no meio do caminho.

Monster Hunter World: Iceborne

E claro! O nosso braço direito, o amigato, também recebeu uma considerável evolução. Além de novos equipamentos e moveset em suas armas, ele agora possui a habilidade de reanimar o caçador quando a primeira “vida” acaba. Ou seja, você terá uma chance a mais de concluir a missão.

O mundo também evoluiu

Em Monster Hunter World: Iceborne não foi apenas o caçador que foi aprimorado, mas também o cenário em sua volta.

Por exemplo, a nova base em Seliana traz consigo a fornalha que permite trocar a sua mão de obra por itens variados por meio de um mini-game. Em contratempo temos a Fronteira Glacial que é um mapa consideravelmente grande que nos confrontar dignamente o frio deste região com encarando criaturas inéditas que vão das menores até as maiores. Existe mais uma surpresa presente em Iceborne, fazendo com que seu final amplie ainda mais a jogatina dos caçadores.

Outra evolução de destaque é as subespécies dos monstros que já conhecíamos no jogo base. Eles são novas versões destes com outro elemento e set de movimentos diferentes, como um Pukei que solta jatos d’água pelo rabo e boca. Devido a tudo isso comentado até agora, não teria como o conteúdo de Iceborne ir para as missões de “high rank”, então um novo nível de dificuldade foi adicionado: Rank Master.

O Rank Master/Ranque Mestre trabalha de maneira familiar com as estrelas do low/high rank, a medida que você desbrava o conteúdo vai aumentando o nível de dificuldade.

Imagens retiradas do site oficial de Monster Hunter World.

Ajude o ÚltimaFicha de forma gratuita, clique aqui e inscreva-se no nosso canal do Youtube


Monster Hunter World: Iceborne é muito mais do que uma simples DLC

Gráficos e Animações - 10
Ambientação e som - 10
História - 8
Gameplay - 10
Replay - 10
Multiplayer - 9

9.5

Uma expansão que necessita ser comprada

Monster Hunter World: Iceborne é uma expansão digna que consegue concretizar o que é prometido: Conteúdo tão extenso quanto do jogo base. Não é apenas uma quantidade abusiva de missões que compõe este conteúdo, mas mudanças, inovações, desafios e história. É quase um jogo completamente novo. Única coisa que senti falta foi a maior utilização da Fronteira Glacial que é exatamente aquilo que faz a expansão se chamar "Iceborne". Porém, é um pequeno detalhe diante de tantos acertos que dilatam a nossa pupila por ver algo tão bonito e bem feito. Caçadores veteranos e de primeira viagem vão realmente gostar dessa aventura.

User Rating: 4.35 ( 1 votes)

Anderson Mussulino

Publicitário louco por toda a cultura geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos que vem da terra do sol nascente.
Botão Voltar ao topo
Fechar