(pré) Análise: Google Stadia tem lançamento problemático

Problemas e mais problemas, em todos os cantos

Hoje, 18 de novembro de 2019, foram disponibilizadas diversos artigos de análise do Google Stadia. Quem tem a assinatura do Stadia Pro, teve acesso antecipado à plataforma e já pode dividir conosco suas percepções. Infelizmente, para os entusiastas, muitos possíveis problemas que apontamos neste artigo e neste aqui se tornaram realidade. Confira abaixo um apanhado:

Pontos Positivos

Sem instalação

Foi quase unânime que a sensação de simplesmente apertar um botão e começar a jogar games enormes como Red Dead Redemption 2 é incrível. Sem a espera para baixar nada e nem o consumo de um HD, basta iniciar o game e jogar.

Joystick

Maioria das análises também foram bem positivas sobre o Stadia Controller. O joystick da Google agradou a quase todos. Ele encaixa bem na mão, tem uma boa disposição de botões e seus analógicos não ficam atrás da maioria dos controles de consoles. Além disso conta com teclas de atalho muito úteis, como a de tirar screenshots rápidas.

Loadings

Muito se tem ouvido sobre Loading Time desde que as primeiras experimentações com a próxima geração vieram à tona. PS5 e Xbox Scarlett prometem quase nenhum tempo de carregamento entre localidades, menus etc. garantindo uma experiência mais fluida. Porém, o Stadia saiu na frente e praticamente já está perto da geração 9 nesse quesito.

Pontos Negativos

Setup

Para uma plataforma que se diz destinada aos não-gamers o Stadia não foi lançado com um setup amigável. Por exemplo, é necessário ter o app Google Home e Stadia App para jogar na TV, além do Chromecast e o Joystick que precisa ser calibrado. A plataforma também conta com praticamente nenhuma personalização, e para comprar jogos, é sempre preciso usar o celular.

Funcionalidades

Dentro dos jogos não temos nem a opção entre performance ou qualidade visual, e o Stadia não oferece informação de uso de dados. Por fim, o “console” está atualmente sem nenhuma funcionalidade de comunidade, como troféus, buddy pass e outras que haviam sido anunciadas.

Performance

A maioria das boas críticas sobre a performance e qualidade da imagem no Stadia são provenientes de usuários com pelo menos 250 Mbps, ao contrário do afirmado pela Google: 35 Mbps. Estes abastados puderam jogar a maioria dos jogos em 4k e 60 fps com poucos problemas, porém com eventuais problemas.

Até mesmo quem tem uma internet de tamanha capacidade reportou que cerca de 20% de sua jogatina enfrenta problemas como travadas, queda de fps e de qualidade visual/resolução. Além disso, provas na internet de Lag de áudio, principalmente em cutscenes. Input Latency dividiu opiniões mas as críticas ficaram suaves, exceto os que jogaram em conexões fracas.

Para quem tem internet pior e mais especificamente 35 Mbps (o suficiente, de acordo com a Google) o Stadia é uma plataforma de jogos single player de baixa complexidade, haja vista que quase todos que experimentaram uma internet mais lenta tiveram experiências impossíveis com multiplayer ou jogos muito detalhados e ricos.

O Stadia demonstrou de fato consumir cerca de 20GB por hora para jogatinas em 4K o que, colocando em média 2 horas e meia por dia, pode decretar um consumo mensal de mais de 1 Terabyte. Prato cheio para lobby político de reintroduzir o limite de dados no Brasil e uma decepção para quem já mora em locais de pacote de dados limitados.

Jogos

Stadia Pro atualmente conta somente com Destiny 2, todos os outros 21 jogos disponível são pagos e por preço cheio. Atualmente o modelo de negócios não é positivo já que é preciso comprar os games separadamente. Ainda não absolutamente nenhum bom jogo grátis para a plataforma, como Fortnite por exemplo.

 

Conclusão

Ao que parece o Stadia ainda não é uma boa opção seja você gamer hardcore ou casual. Apesar do preço relativamente barato, ainda somos obrigados a manter uma internet cara em dia, sem limite de dados, um bom modem/roteador que não atrapalhe os dados.

Para se ter uma ideia a NET Virtua no Rio de Janeiro cobra mensalmente R$ 169,99 por uma conexão de 240 MBps, o que daria mais do que suficiente o preço de um console de geração corrente em um ano de uso.

Para jogar na rua então, nem consigo imaginar quando teríamos essa força, talvez no 5G?

Ricardo Carvalho

Gosto muito de escrever, desenhar, de me frustrar com política, de filosofar no barzinho, assistir filmes e defender que games são arte! Me segue no twitter que eu sigo de volta, beleza? twitter.com/perfilricardoc Beijos e boas jogatinas!
Botão Voltar ao topo
Fechar