Análise: Astro A10, o fone de entrada da Astro

Astro A10 tem o design de seu irmão mais caro A50 custando 5 vezes menos

A Astro, recentemente adquirida pela Logitech, não é uma empresa necessariamente conhecida por todos da industria. Gamers que não são tão ligados a periféricos podem não conhecer a marca, que fabrica modelos que estão entre os melhores disponíveis no mercado (e mais caros também). Um dos modelos fabricados pela Astro é o Astro A10, modelo de entrada que ajuda a empresa a se posicionar no mercado, visto que o A50 custa cerca de 5 vezes mais no Brasil.

Se você está com o orçamento limitado e não quer abrir mão de uma boa marca e um produto confiável, talvez esta análise seja para você! Testamos o Astro A10 modelo para PS4, PC, Switch e qualquer dispositivo com entrada P3. Existe uma variável para Xbox e imaginamos que em questão de desempenho ambos terão as mesmas observações!

CONSTRUÇÃO, DESIGN E CONFORTO

A Astro me lembra um pouco a Volkswagen. Mas como assim Pedro? Se você perceber a Volks tem uma identidade visual, onde você consegue bater o olho na frente de todos os carros da marca e identificar que é um Volks moderno, dos últimos modelos, com algumas variações de modelo pra modelo, mas com a essência igual para todos. A Astro faz algo semelhante em seus produtos, onde o Astro A10, analisado aqui, tem a mesma identidade visual do A50, modelo super premium da marca.

Isso é bacana, pois quem se importa com design conseguirá ter um produto bacana e que lembra o produto premium da marca. A diferença entre o design do A10 e A50 fica para a robustez e qualidade de construção. Mesmo antes de pegar ambos na mão, você percebe de longe que o A10 é mais barato, mais simples e todo feito em plástico. Ao pegar ambos na mão vem a certeza, sendo muito mais leve, flexível e com construção mais simples.

O fone é confortável, principalmente nas conchas. Elas são feitas de microfibra e possuem formato característicos do fone da Astro, nem oval, nem redondo, uma espécie de “portal”. Elas são bem recheadas, o que auxiliam em longas jogatinas, proporcionando conforto. Porém, o apoio superior da cabeça que é feito do mesmo material, é fino e magrinho, incomodando um pouco. Mas como o fone é bem leve por conta de sua construção essa falta de recheio no apoio superior não é tão grave.

MICROFONE

Diferente dos irmãos mais caros, o Astro A10 não possuí microfone destacável. O mesmo é feito em um material maleável, o que ajuda bastante a deixá-lo na distância mais confortável possível para o usuário. Por conta da entrada P3, foi necessário testar o microfone no PC via DAC Sharkoon, o que provavelmente melhorou a qualidade do mesmo. Mas, segundo o resultado final, o DAC é meio irrelevante para a minha opinião do mesmo.

O fone surpreende e possuí excelente qualidade. Sua voz fica encorpada, com um certo grave de programa de rádio, e clareza nas palavras. Mesmo em um ambiente com ventilador de teto, TV ligada e um cachorro doido latindo na rua, nada disso se transplantou para a gravação. Excelente microfone para o modelo de entrada da marca!

QUALIDADE SONORA

Uma das diferenças mais sensíveis ao se comparar o Astro A10 com o A40/50 é a potência sonora. Claro que nos modelos premium temos amplificadores e DACs que acompanham os headsets. No A10 temos apenas o fone em si, então aqueles que gostam de bastante potência e volume, o A10 talvez não supra seus objetivos.

Se tem um ponto específico onde o áudio do A10 é focado são nos baixos. Jogos de tiro, com explosões ou músicas eletrônicas de fundo trarão uma ótima experiência com o fone. Já jogos em que a narrativa e os diálogos são mais importantes podem frustrar um pouco o usuário. Temos um balanço muito mais pendendo para os graves e faltando agudos.

No geral, seja para consoles, PC ou para ouvir música, o Astro A10 se sai bem, com boa qualidade sonora e som limpo. Agora se você não usa o fone em um ambiente mais silencioso, fica o registro que o isolamento acústico das conchas é bem fraco. Você facilmente ouvirá o som ambiente, mesmo que seja apenas com uma TV ligada ou alguém trabalhando próximo a você. Esqueça ter uma boa experiência, por exemplo, dentro de um avião jogando seu Luigi’s Mansion no Switch.

CONCLUSÃO

Mesmo se tratando de um fone de entrada, estamos falando da Astro, marca premium de headsets e que tem pouco tempo de vida oficialmente no Brasil. Logo, o valor de um fone de entrada da marca pode ser bem maior do que de suas concorrentes.

Levando em conta o preço, como todas as análises do Última Ficha, temos um desempenho excelente para o desempenho geral e versatilidade, podendo ser usado no seu smartphone, Switch, PC ou PS4. Na data de publicação desta análise, ainda durante a crise do coronavírus, encontramos o Astro A10 partindo de R$385,00 em grandes varejistas. Sim, é um preço acima de fones de entrada de algumas grandes marcas, mas com design mais refinado, excelente microfone e bom desempenho no geral, ainda mais para os amantes de graves mais presentes.

O que peca no Astro A10 é sua almofada superior um pouco frágil e o cabo P3 que acompanha o fone sendo frágil e curto, além de não ser trançado para maior durabilidade. Pelo menos o mesmo é destacável, podendo ser substituído em caso de problema! A construção toda em plástico também passa um pouco a sensação de pouco durável, mas no geral são apenas detalhes, sendo poucos problemas em um fone bem caprichado! Antes de ir embora, confira nosso unboxing no final desta página!

NÍVEL DE RECOMENDAÇÃO: OURO

 

Pedro Nogueira

Formado em Administração e em GunZ: The Duel. Nogueira une estas duas formações para administrar de forma única suas skills em jogos de tiro, adquiridas em anos jogados fora jogando The Duel. Além da supremacia em jogos de tiro, Nogueira é fã de jogos com história bem trabalhada e tem no sangue as habilidades de Dominic Toretto para jogos de corrida.
Botão Voltar ao topo
Fechar