Análise: Crash 4 valeu a espera

O mascote voltou com tudo!

Esta análise só foi possível graças a uma cópia digital de Crash Bandicoot 4: It’s About Time gentilmente cedida pela Activision, versão de Playstation 4. A análise foi feita utilizando o Playstation 4 Pro.

O mascote mais legal da Sony (opinião pessoal), o Crash, nasceu em 1996, estrelando o primeiro título da franquia: Crash Bandicoot. Lançado para Playstation 1 pela Naughty Dog, o jogo abusava do hardware do console fazendo o gênero plataforma ganhar um esquema 3D e um humor mais ácido, ‘saindo da caixa’ para a época. Crash era, na época, o escolhido para rivalizar com Sonic e Mario como mascotes mais queridos e famosos. Foram longos anos de 1996 até agora, em 2020, onde temos o Crash 4.

Créditos: https://www.gameblast.com.br/2017/11/discussao-usando-nostalgia-bons-games-atuais.html

Foi no PS1 que Crash brilhou, tendo mais sequências do Crash Bandicoot, que ganhou um remake recente, Crash Bash, que não tem a fama que merece, e Crash Team Racing, que também teve um maravilhoso remake neste ano. Desde 2000, com o Crash Bash, não houve nenhum Crash que chegasse a altura dos clássicos do PS1. Tentativas foram feitas no PS2, Xbox, Game Cube, Wii, PSP, Xbox 360… mas nada tinha o brilho e o carisma dos primeiros títulos.

Foram ANOS e ANOS esperando um novo Crash Bandicoot. Um caprichado, feito do zero, com a alma, carisma e desafio de Crash 1. 2020 chegou, trouxe uma avalanche de acontecimentos e, agora, nos lambuza com o delicioso Crash Bandicoot 4: It’s About Time, lançado agora para Playstation 4 e Xbox One.

JOGABILIDADE

O que mais gostamos no Crash, além de sua personalidade ímpar, é a jogabilidade dos jogos antigos. Eu te garanto: ela está absolutamente igual e ouso dizer que aprimorada! Alguns elementos, como uma marcação de onde você vai cair após pular, foram adicionados. Esses acréscimos ajudam demais tanto os jogadores mais antigos e experientes, mas principalmente os novatos.

Marcação de onde vai cair

Além desta ajudinha da marcação de onde você vai cair, novas mecânicas de jogo foram implementadas, todas de forma maestral e trazendo uma enorme sobrevida ao estilo de gameplay que já era excelente nos anos 90.

Ao jogar você vai se sentir de volta aos três clássicos originais do Playstation 1. Ao mesmo tempo, você terá a certeza que está em 2020, com elementos gráficos que condizem com o ano de lançamento. O jogo vai abusar do que sempre abusou, te imergindo em um jogo de plataforma, com constantes variações de câmera, ângulo de visão, profundidade de mapa e agora com “poderes” dependendo do desafio que está enfrentando.

OS MODOS

De cara você é questionado se quer jogar no Modo Clássico, onde você acumula vidas ao longo dos mapas, seja resgatando em caixas ou somando 100 frutas. Caso morra em algum lugar avançado da fase e acabe todas as suas vidas, você retorna para o começo da fase, uma espécie de ‘game over’. Existe também um novo Modo Moderno, onde você pode morrer a vontade que sempre vai voltar no último ponto de controle. Em ambas as escolhas terá um contador de mortes no canto superior direito para te relembrar do seus fracassos.

A mistura de elementos é incrível. Você vai encontrar momentos do jogo que te levarão de volta aos anos 90 jogando em 2D com gráficos poligonais, ações completas em 3D deslizando por corrimões, o tradicional 2D/3D do Crash de sempre e até mesmo vai te desafiar em mapas onde você deve trocar de realidade a todo momento, para ativar ou desativar obstáculos.

NOVIDADES

Uma implementação maravilhosa no Crash 4 é jogar com a Tawna, Dingodile e Cortex! Cada um possui formas de se jogar diferentes, habilidades únicas e mapas específicos e pensados para cada um. Jogar com eles é extremamente divertido.

Porém, a principal novidade em Crash 4 são as novas máscaras quânticas. Se você acha que jogar com os novos personagens já é o suficiente para dar uma sobrevida ao antigo gameplay de Crash, espere até entrar em níveis onde as máscaras irão te conceder poderes. O gameplay em cada cenário onde elas estão se torna único e desafiador, além, é claro, de muito divertido e inédito na franquia.

Estes poderes vão de troca da realidade para fazer sumir ou preencher elementos do mapa, um rodopio roxo insano que te faz parecer um furacão, manipulação do tempo e inversão da gravidade. Ao mesmo tempo que você se sente mais poderoso com estes presentinhos das máscaras quânticas, posso te dizer que o desafio aumenta e vai te fazer mais do que nunca surtar por usar os poderes na hora errada! É sério, Crash 4 traz uma mistura de sentimentos insana de satisfação, prazer e punição elevadíssimos!

Dependendo do nível, você terá que aliar seus reflexos naturais, o uso inteligente dos poderes e, claro, morrer algumas vezes pra decorar em sua cabeça o que vai ter que fazer para concluir o desafio. Não se engane, você vai morrer muito!

Outra adição é o sistema de skins, tanto para a Coco quanto para o Crash. Você consegue as skins jogando, completando desafios e terminando mapas com 100% de aproveitamento de caixas.

O DESAFIO FOI LEVADO A SÉRIO

Crash nunca foi um jogo fácil. Contudo, em Crash 4 a Toys for Bob, a mesma que trouxe o último remake de Spyro, levou a dificuldade a patamares que eu nunca tinha visto na trilogia original de Crash Bandicoot.

O modo campanha por si só, ignorando as clássicas fase bônus e novas adições que vou citar abaixo, é extremamente punitivo e desafiador. Todavia, o carisma do marsupial, a beleza cativante de todos os mapas, todos os mundos, as divertidas cinematics, tudo isso te fazer querer tentar mais, e mais, e mais até conseguir passar do desafio e chegar no próximo checkpoint.

Um dos diversos elementos novos deste jogo são as fitas cassetes que te levam à década de noventa e aos experimentos do primeiro Crash. O jogo fica todo ambientado naquela época, com interpolação artificial como se fosse uma TV de tubo e níveis altamente desafiadores.

Claro que ainda existem todos os extras que as fases te proporcionam, como pegar todas as caixas, concluir em 100% todas as fases bônus e por aí vai. Se você gosta de caçar absolutamente tudo no mapa, terás ainda mais dificuldade. Não deixe nada para trás se este for o seu caso!

MULTIPLAYER EM CRASH BANDICOOT

Sim, temos multiplayer em Crash 4! Mas calma, eles são todos offline, são multiplayers de sofá para você desafiar seus amigos. São dois modos: Corrida ao Ponto de Controle e Combo de Caixa. Ambos os modos podem ser jogados com até 4 jogadores. Eles funcionam no esquema de jogue a sua vez e passe o controle.

Na Corrida ao Ponto de Controle terá o melhor desempenho quem chegar mais rápido nos pontos de controle. Sim, é uma corrida contra o tempo para chegar vivo ao ponto de controle mais próximo. ‘Fantasmas’ dos jogadores anteriores ficam na tela para você ter ideia se está indo melhor ou pior.

Já no Combo de Caixa, que também é focado em agilidade, o objetivo principal é somar pontos quebrando as caixas nos mapas. Se você chega perto de uma caixa e demora muito para quebrá-la, o número dentro dela diminui drasticamente.

GRÁFICOS, TRILHA SONORA E EFEITOS SONOROS

Se você jogou os Crash’s de PS1 vai ficar muito feliz em ouvir todos os efeitos sonoros dos primeiros jogos, seja no gritinho do Crash, ao rodopio, tudo foi mantido.

A trilha sonora das fases são igualmente excelentes, tão viciantes quanto as originais da década de 90. Mesmo as trilhas mais novas são muito bem feitas e casam perfeitamente com o jogo.

Os gráficos são similares ao do remake da trilogia Bandicoot de PS1. Os mapas são riquíssimos, com diversas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Cada canto do cenário parece ter sido desenhado com muito carinho e por uma equipe muito inspirada. Talvez o único defeito aqui é que a resolução e as texturas, pelo menos no Playstation 4 Pro onde eu testei, poderiam estar melhores. Por ser um jogo simples, sem muita demanda gráfica, eles poderiam ter abusado de um belo 4K bem polido. Mas relaxa, eu sou fresco nesse aspecto.

CONCLUSÃO

Os longos anos de espera valeram a pena. Crash 4 é um nítido presente para todos os fãs do passado. Por ter sido feito com tanto carinho, com tanto cuidado para manter o que os fãs amavam, Crash 4 é um título fabuloso até mesmo para os que nunca jogaram nenhum jogo do marsupial.

O gameplay se manteve na mesma pegada e conseguiu agregar novos estilos de personagens e novas habilidades e poderes, que aumentam a dificuldade e a diversão. A sensação de satisfação ao completar cada uma das fases é enorme, te motivando a continuar, mesmo que para continuar você vá perder a paciência e vá cogitar arremessar o controle longe de tanto morrer.

Crash 4 tem bastante conteúdo, mesmo que você ‘rushe’ e faça somente as fases principais da campanha. Mas ainda existem as fases dos novos personagens e as fases das fitas cassetes. Caso jogue pelo menos um pouquinho de tudo, mesmo não sendo o louco do 100%, terás umas 10 horas de gameplay garantido.

Crash 4 é exatamente o que eu, fã deste carismático mascote, esperava. Ele é mais, ele vai além. A ousadia de acrescentar coisas novas em algo que já era consagrado foi recompensada, com um título digno da franquia Crash Bandicoot.

Essa análise segue nossas diretrizes internas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Crash 4 valeu a espera

Visual, ambientação e gráficos - 9
Jogabilidade - 10
Diversão - 10
Áudio e trilha-sonora - 9.8

9.7

Maravilhoso

Os longos anos de espera valeram a pena. Crash 4 é um nítido presente para todos os fãs do passado. Por ter sido feito com tanto carinho, com tanto cuidado para manter o que os fãs amavam, Crash 4 é um título fabuloso até mesmo para os que nunca jogaram nenhum jogo do marsupial.

User Rating: 4.6 ( 3 votes)

Pedro Nogueira

Formado em Administração e em GunZ: The Duel. Rei dos FPS e o Toretto dos jogos de corrida no site. O nerd/entusiasta do PC Master Race, responsável por análise de periféricos e hardware. Quebra um galho de streamer lá na twitch.tv/ultimaficha.
Botão Voltar ao topo
Fechar