Análise: Ghostrunner é bom, mas exageradamente difícil

Está pronto para morrer MUITO?

Ghostrunner é o mais novo jogo desenvolvido pela One More Level com a 3d Realms e co-distribuído pela 505 Games e a All In Games. Nele você estará em um mundo futurista Cyberpunk onde deverá sozinho, munido de sua Katana, dar saltos inacreditáveis e derrubar uma grande corporação.

A análise foi feita no PC utilizando um código cedido pela 505 games. Ghostrunnner será lançado para PC, Playstation 4 e Xbox One no dia 27 de Outubro. Quem comprar o jogo para a atual geração de consoles receberá um upgrade gratuito para Playstation 5 e Xbox Series em 2021.

História e gráficos

A história de Ghostrunner segue bastante o padrão do que é esperado em um jogo Cyberpunk. Você acorda sem consciência de quem é e sabe que está sendo perseguido. Seu único guia é uma voz em sua cabeça.

Essa voz é o grande arquiteto que foi traído por sua ex parceira Mara e agora ela domina toda a cidade da onipotente torre Dharma. Graças a resistência, você, um Ghostrunner, conseguiu voltar a vida e tentará mais uma vez salvar o mundo juntamente com o grande arquiteto.

A história é interessante e segue uma linha muito legal com os poucos personagens que aparecem incluindo a ótima dublagem do jogo e uma trilha sonora que te coloca no ambiente. Porém, como ele é mais voltado para a ação, o que realmente se destaca é a incrível ambientação que presenciará.

Aqui temos uma cidade de metal iluminada no melhor estilo Cyberpunk com diversos contrastes entre as luzes dessa cidade metalizada e os muitos trechos escuros. A ambientação é impecável e esse é um dos jogos mais bonitos que já vi.

Por ter jogado no PC e ter uma RTX, eu testei como está o Ray tracing no jogo. Infelizmente ele é extremamente sutil e faz pouca diferença no aspecto visual. Inclusive, por ser um jogo de ação frenética, a pouca diferença que faz, acaba desaparecendo no meio dos pulos, ataques e desvios.

Abaixo existem três exemplos de momentos com e sem Ray tracing ligado. Consegue adivinar qual é qual?

Ghostrunner é somente para os mais habilidosos

Eu confesso que jogo vídeo game para me divertir e ser desafiado, mas existem limites no desafio que procuro. Ghostrunner entra no grupo de jogos que ele foca quase que completamente no desafio.

O jogo é extremamente difícil chegando a ser frustrante em inúmeros momentos. É importante deixar muito claro que o jogo é ótimo, porém, se você não curte um desafio de incrível precisão a cada segundo, você irá se frustrar.

Normalmente nesse tipo de jogo (e aqui uso como exemplo Doom Eternal) te dá alguns poucos segundos para respirar e pensar em uma estratégia. Talvez mudar algo no meio do ataque. Porém, em Ghostrunner você tem que seguir a linha ideal.

Aliado a isso, os inimigos tem a melhor precisão que já vi na vida e eles sempre irão mirar em você corretamente. E caso receba um único tiro, irá morrer. Diversas vezes tudo parece ser muito injusto.

Com tantos elementos para elevar a complexidade, será possível com sua evolução equipar alguns itens de melhoria inspirados na forma de tetris. Eles poderão lhe dar uma nova habilidade, melhorar as atuais ou então melhorar sua percepção no mapa com os inimigos e lugares de interesse. Isso também fará com que o desafio seja um pouco mais palatável.

Desafios incríveis de plataforma

A ação desenfreada em Ghostrunner vem acompanhada por um desafio de plataforma da mais alta precisão.

Existem momentos onde deverá somente pular entre paredes e lançar seu cabo para chegar a uma nova plataforma, como existirá momentos onde terá que conciliar esses mesmo desafios com os muitos inimigos.

Tudo que falei acima se aplica aqui. Existe um grande desafio em realizar esses saltos, pois muitas vezes eles não podem ser pensados e terá que decidir a próxima ação no meio da correria (literalmente).

Porém, aqui depende muito mais do jogador e de suas habilidades do que ser atingido por uma bala de algum lugar desconhecido. Para mim essa foi a parte onde mais me diverti e é realmente incrível ver seu personagem fluindo pela fase como um ninja futurista.

O que pode incomodar em alguns momentos, é que após sofrer uma queda e morrer, ou ser atingido e também morrer, você irá retornar uma parte anterior a que gostaria aumentando o fator frustração.

Ghostrunner é para você?

Embora Ghostrunner claramente não é um jogo para mim, ele é sim um ótimo jogo. Sua ambientação é excepcional e é um dos jogos mais bonitos que já vi. Inclusive, ele é tão bonito que ao ativar o Ray Tracing, pouca diferença é vista.

Seu gameplay é de altíssima precisão e quando consegue realizar um setor de forma impecável é extremamente recompensador. Infelizmente o jogo é extremamente punitivo e não existe aberturas para parar e pensar em uma estratégia ou nova abordagem. Além dos inimigos terem uma alta precisão, tudo tem que ser decidido e aprendido no meio da ação.

Ghostrunner é claramente um jogo para um grupo específico que quer ser desafiado a cada passo e aqui ele acerta em cheio! Mas se procura algo que não exija tanto sua atenção e paciência, esse não é o jogo para você.

Essa análise segue nossas diretrizes internas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Ghostrunner é bom, porém, não é para todos

Visual, ambientação e gráficos - 9
Jogabilidade - 7.5
Diversão - 6.5
Áudio e trilha-sonora - 8

7.8

Bom

Ghostrunner acerta em sua ambientação, incríveis gráficos e história intrigante. Além disso, possui um gameplay super responsivo e dinâmico. Infelizmente é necessário muita habilidade para jogá-lo e caso não seja ágil com suas mãos e olhos, a frustração é quase certa.

User Rating: 2.7 ( 2 votes)

Leonardo Coimbra

Mestre supremo do Ultima Ficha, não manda nem em seus próprios posts. Embora digam que é geração PS2, é gamer desde o Atari e até hoje chora pedindo um Sonic clássico e decente. Descobriu em FF7 sua paixão por RPG que dura até hoje. Eventualmente é administrador e marketeiro quando o chefe puxa sua orelha com os prazos.
Botão Voltar ao topo