Análise: Days Gone para PC vale a pena?

Days Gone traz uma excelente experiência para PCs, mesmo com bugs de desempenho

Nas últimas semanas vimos muitos fãs pedindo pela continuação de Days Gone, um jogo que eu particularmente gostei bastante quando foi lançado para Playstation 4 em 2019. As vendas do jogo na época do lançamento não foram tão expressivas, e muita gente acabou criticando o jogo por falhas na direção e pelo mundo aberto um tanto quanto repetitivo. Essas não são exatamente opiniões que eu compartilho 100%, mas eu entendo a frustração de alguns críticos com esses pontos no jogo.

Após muitos pedidos, Days Gone está de volta

Agora, depois de dois anos, a Sony resolveu trazer Days Gone também para PC, e o resultado é bastante satisfatório no geral. Há alguns pontos problemáticos nesse port que eu vou detalhar pra vocês, mas já adiantando pra não enrolar, eu gostei muito da versão de Days Gone para PC e já digo que ela vai surpreender muita gente. Confira abaixo a nossa análise de Days Gone para PC.

Para contextualizar, essa análise foi feita em um notebook Lenovo Y540 com uma RTX 2060 Mobile, um processador I7 9750H, 16GB de RAM DDR4 2666 Mhz e um SSD de 1TB. É uma máquina boa, mas por não ser de fato um Desktop, fica numa faixa mediana de rendimento. Estou dando essa informação não somente para que vocês tenham uma referência e possam comparar com o PC de vocês, mas também para demonstrar quão bem feita e otimizada essa versão do jogo é. Inclusive, caso você queira ver os benchmarks que fizemos do jogo, basta assistir ao vídeo acima a partir da minutagem 7:16.

Vai rodar no seu PC?

Bom, sem mais delongas, vamos lá. A primeira coisa que eu pude perceber quando abri Days Gone e comecei a explorar os menus é que as opções de customização gráfica são bem diversas. Isso é uma surpresa bem positiva, já que nas últimas experiências que tive com jogos de console portados para PC as configurações gráficas eram bem pobres. Em Days Gone, é possível escalonar bem entre as configurações para que máquinas menos potentes consigam rodar o jogo decentemente. É bem fácil perceber as mudanças gráficas de cada opção, inclusive, já que o jogo muda a renderização em tempo real. Isso é um ponto fortíssimo para essa versão do jogo para PC, já que frequentemente precisamos recorrer a benchmarks e análises bem detalhadas para entender o que exatamente cada opção muda e o peso delas na GPU.

Assim que eu comecei a jogar a história do jogo, percebi que Days Gone é mais leve do que eu esperava. Quem jogou no Playstation 4, ou até no Playstation 5, que conta com 60 FPS praticamente lisos durante todo o jogo, pôde perceber que a Bend Studios realizou um trabalho de direção de arte incrível, e é possível considerar Days Gone um dos jogos mais bonitos da geração. Os efeitos são surpreendentes, especialmente se considerarmos que o jogo roda até mesmo no clássico Playstation 4 Fat, com hardware de 2013, mesmo que com alguns problemas notáveis.

Uma boa otimização, mas com alguns problemas – Review PT BR – Days Gone – PC

A otimização feita pelos desenvolvedores após alguns patches foi incrível nos consoles da última geração e o mesmo se reflete na versão de Days Gone no PC. Para vocês terem noção, na minha RTX 2060 Mobile, o jogo fica em média a 80 FPS a 1080p, variando para cima ou para baixo dependendo das áreas do mapa e do período do dia. Obviamente, nas famosas hordas, que possuem centenas de inimigos que aparecem na tela simultaneamente, o processador é altamente utilizado e há quedas de frames bastante consideráveis. Para sanar esse problema, eu recomendo fortemente que vocês travem a taxa de frames para garantir uma experiência mais estável.

Além disso, foi possível perceber também um bug ou erro de otimização no jogo que acontece com certa frequência. Em áreas específicas do mapa, a taxa de frames cai de forma abrupta e fica instável, caindo para 40 e tantos FPS e voltando para a média de forma inconstante. Isso acontece mais nas áreas mais populosas do jogo, como nos acampamentos, e em regiões de infestação, que possuem mais frenéticos do que o normal. É compreensível que o rendimento do computador caia nessas áreas devido ao maior processamento necessário, mas essa variação inconstante é um tanto quanto bizarra.

Vale lembrar que nós jogamos a versão antecipada do jogo, e um patch de lançamento estará disponível no dia 18 de maio. E só para pontuar mais um comportamento anormal que eu notei ao jogar Days Gone no PC, em certos momentos eu pude perceber que a configuração “Baixo” fazia com que a taxa de frames rendesse de forma muito instável e consideravelmente abaixo das predefinições mais altas. Não fica claro o que está acontecendo aqui, mas isso é certamente algo que a Bend Studios terá que resolver após o lançamento do jogo.

As melhorias gráficas – Análise: Days Gone – PC

Bom, como vocês podem na nossa vídeo análise acima, o jogo continua muito bonito e agora possui mais customizações do que a versão de console. O destaque fica para o campo de visão, que pode ser modificado, e a distância de LOD e de renderização das folhagens, que foi aumentada. Agora é possível ver objetos mais distantes do que na versão de Playstation do jogo.

Isso faz com que algumas paisagens fiquem ainda mais bonitas, com mais vegetação visível à distância. Alie isso ao suporte à monitores ultrawide e você terá algumas das vistas mais bonitas já vistas no jogo. A única crítica que eu tenho para essa versão de PC de Days Gone fica para a ausência de suporte ao DLSS, que teria ajudado ainda mais no desempenho do jogo. É uma pena que os últimos ports de jogos de console não tenham tido essa função, com exceção de Death Stranding, que deu um show de otimização nos computadores.

Uma jogabilidade incrível – Review PT BR: Days Gone – PC

Passando agora para o quesito jogabilidade, agora é possível jogar Days Done com mouse e teclado, e isso oferece uma nova experiência de gameplay ao jogo. Ser preciso no controle não é exatamente uma tarefa fácil, e isso fazia com que tivéssemos que gastar muitas balas, que são relativamente escassas pelo mapa. Agora com o mouse, é muito mais fácil ser preciso e acertar os tiros na cabeça dos frenéticos e demais inimigos.

A sensação é simplesmente incrível, e algumas batalhas se tornam muito mais divertidas do que nos consoles, já que é possível acertar diversos headshots consecutivos. A própria sensibilidade padrão do mouse me agradou bastante, e oferece uma boa precisão para acertar os tiros. Entretanto, caso você queira mudar a sensibilidade ao seu gosto, também é possível.

E só para deixar claro, não entrei muito no quesito história e enredo de Days Gone para PC pois já temos uma análise escrita no site pelo Ricardo, e se você quiser saber mais sobre essa parte, eu recomendo que você clique a leia na íntegra.

Conclusão – Days Gone – PC

Para resumir esta análise, Days Gone para PC oferece uma boa experiência, com alguns problemas técnicos aqui e ali. No geral, o jogo consegue ser rodado decentemente mesmo em máquinas intermediárias e oferece bons visuais, ainda que com problemas de performance em áreas específicas do mapa. A possibilidade de jogar com mouse e teclado melhora muito o gameplay, fazendo com que batalhas se tornem muito mais frenéticas e divertidas. Days Gone veio para ficar no PC e após alguns patches, certamente será uma experiência excelente.

Essa análise segue nossas diretrizes internas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Bernardo Cortez

Formado em Relações Internacionais, Bernardo aproveitou o dom de escrever para algo útil. Músico, viajante, cronista e amante de qualquer coisa que seja relacionada a jogos, seu sonho é ser jornalista na área. Tem um carinho especial por jogos que tragam o melhor de todas as formas de arte que os englobam.
Botão Voltar ao topo