Análise: Scarlet Nexus nos conecta com uma ótima história

É um baita jogão de RPG!

Nessa análise de hoje veremos mais sobre Scarlet Nexus, a nova aposta da Bandai Namco em termos de RPG de ação. De antemão, devo revelar que essa nova IP japonesa é surpreendente e quebra as baixas expectativas que seria apenas mais do mesmo. Dito isso, já adianto que o game possuí gráficos inovadores (para a produtora), trilha sonora envolvente e uma narrativa ótima. Ficou curioso? Leia a nossa análise de Scarlet Nexus abaixo.

Um futuro distópico e dois protagonistas

O game recebe o selo da Bandai Namco Studios e tem o mesmo diretor de Code Vein e a consagrada franquia God Eater. Provavelmente por conta do currículo desse diretor e dos últimos Sword Art Online desenvolvidos pela Bandai, a expectativa de Scarlet Nexus não foram das maiores, principalmente pelos trailers lembrarem nitidamente os títulos mencionados.

Scarlet Nexus de imediato nos entrega a possibilidade de escolher entre dois protagonistas: Yuito Sumeragi e Kasane Randall. Diferente de muitos jogos atuais é que a história é a mesma independente do personagem, aqui temos dois pontos de vista distintos. Eles são personagens diferentes, em situações diferentes, interagindo com outras pessoas e tendo vivencias distintas. Naturalmente a história de ambos vão se conectar em diversos pontos.

O mundo de Scarlet Nexus se baseia num mundo futurista que 99% das pessoas possuem algum poder especial e são todas conectadas por tecnologia extremamente avançada que vai muito além do virtual, sendo implementada diretamente nos cérebros. Permitindo que enviem mensagens, acesse a internet e várias outras coisas pelo própria mente.

Nem tudo é perfeito, pois existem criaturas bizarras que parecem ser a mescla de animais e/ou objetos com plantas. Para conseguir enfrentá-los e manter a paz na população, existe a força militar chamada OSF. Obviamente os protagonistas entraram para essa força militar, cada um tendo os seus próprios motivos.

Busquei não falar sobre a história em si nesta análise de Scarlet Nexus, pois são diversos plot twists e qualquer informação descuidada pode ser um spoiler. Em suma, por mais que seja um jogo que adota o estilo de anime, o jogo traz assuntos polêmicos e até atuais. Ele aborda temas como invasão de privacidade, corrupção governamental, abusos de força militar, experimentos humanos e muito mais.

Um RPG de ação que pega diversas referências e entrega uma jogabilidade única

Minha primeira impressão com Scarlet Nexus era que se tratava de um RPG com jogabilidade familiar ao Sword Art Online Hollow Realization, não que seria algo ruim, já que em termos de gameplay eu gostava desse jogo. Contudo, o tempo passou e finalmente coloquei minhas mãos no game, podendo aproveitá-lo.

Minha visão sobre a jogabilidade mudou desde então, passei a vê-lo como algo familiar ao NieR Automata mesclado com Gravity Rush, já que os protagonistas tem poderes telepáticos que os permitem controlar objetos. Contudo, essa visão foi se distanciando a medida em que me aprofundava no game. Ele tem diversas camadas e a primeira hora é a mais rasa de todas elas.

Vamos lá, vou explicar melhor o motivo disso.

Primeiramente temos um estilo de jogo baseado em hack’n slash onde devemos sair atacando os inimigos, contudo, os oponentes não são tão passivos e vão te atacar – por isso – esquivar no momento certo é fundamental! Além disso, podemos utilizar os poderes de Yuito e Kasane, os gatilhos traseiros para puxar algum objeto do cenário e atacar os inimigos com eles. Isso fará parte do combo, servindo de chance para se aproximar do inimigo ou dar um back dash para se proteger.

Além disso, alguns objetos causam mais dano e possuem até animação própria, como controlar veículos para atropelar os inimigos, surfar em algum objeto de metal ou disparar vigas de metais como se fossem lanças.

Seguindo a história do jogo, cada pessoa tem um poder e teoricamente não pode possuir outros. Porém, com a ligação cerebral que os membros da OSF possuem, um pode utilizar o poder do outro com a liberação do líder do pelotão. Desse jeito, Yuito, por exemplo, pode usar golpes de fogo iguais da Hanabi (amiga de infância do protagonista) ou ficar invisível igual o Kagero (um dos personagens).

Os poderes são variados! Além desses que citei, também há controle de eletricidade, teleporte, clarividência e outros. Dependendo do momento da história e de qual rota estiver seguindo, vai variar os membros do seu pelotão e consequentemente mudar as alternativas no seu leque de habilidades.

Algo que me incomodou foi a target do jogo, principalmente o comando para trocar o alvo que não é apenas movimentar a alavanca direita e ser feliz. Além disso, várias vezes o target não me auxiliou como eu queria, fazendo com que eu desse golpes no absoluto nada ao invés de serem direcionados ao inimigo que eu queria.

Scarlet Nexus evolui conforme você joga

Como todo bom RPG, há um sistema de level up. Aqui você poderá habilitar bônus de status, extensão para seus combos e novas mecânicas para aprimorar o gameplay. Alguns exemplos bem rasos são o salto duplo, dash aéreo, esquiva perfeita e poder utilizar mais poderes ao mesmo tempo.

O último citado é um dos pontos principais na batalha, como dito antes, você pode utilizar os poderes dos seus companheiros de pelotão. Então se puder utilizar mais de um ao mesmo tempo, começará a executar combinações que podem te auxiliar tanto na ofensiva quanto na defensiva.

Além disso, o jogo também conta com o bom e velho sistema de afetividade (ou social link, para os fãs de Persona), onde você tem um evento com algum dos personagens e conhece mais sobre ele e recebe algum tipo de bônus envolvendo esse personagem. Em muitos jogos isso só serve para se “encher de linguiça”, contudo, aqui temos duas utilidades que merecem ser destacadas:

Temos maior conhecimento sobre a história do personagem, do mundo e da trama. Você não vai apenas saber o passado de algum amigo, você também ficará sabendo do presente e entenderá o motivo de alguns acontecimentos. O que torna relevante acompanhar todos os eventos para estar mais por dentro dos motivos de cada ocorrido.

Junto disso, você libera outras utilizações do poder deles como golpes poderosos utilizando, uma visão deles surgindo pra te proteger, chance de algum te reviver se acaso você for derrotado e várias outras coisas. Me atrevo a dizer que é realmente essencial.

Scarlet Nexus

Combate inteligente e interação com cenário

Há diversos inimigos no jogo e muitos deles tem suas próprias habilidades, sendo necessário que o jogador saiba qual habilidade utilizar para ganhar vantagem e sobressair ao inimigo. Por exemplo, se uma criatura consegue ficar invisível ou fazer clones, você tem que ativar clarividência para confrontá-lo sem problemas.

Por outro lado, se seu inimigo tem partes de gelo, golpes de fogo vão ter vantagem. Há outras situações em que pode tirar vantagem, como ficar invisível para evitar combate ou pegar os inimigos de surpresa.

As habilidades não tem essa interação apenas com o combate, uma vez que alguns locais do mapa só são acessados com a utilização delas. Por exemplo, usar o fogo para destruir paredes de gelo ou teletransporte para celas para não limitar o seu avanço.

Scarlet Nexus traz consigo uma nova fase para a Bandai Namco

Já é costume vermos que a Bandai Namco ama reaproveitar a engine gráfica para os seus jogos. God Eater, Scarlet Nexus, Tales of e outros compartilham a a mesma engine e com modelos similares, principalmente com esse estilo de personagens sem contornos, jogando luzes, sombras e brilhos para substituir isso.

Durante nossa análise de Scarlet Nexus, vimos a utilização de uma engine e modelos diferentes. Temos personagens com contorno, mesmo que sutil. Isso não os limitou, pelo contrário, deixou o jogo muito mais detalhado e visualmente rico.

Falando em visualmente rico, os cenários são incríveis e possuem construção variada em seus detalhes, podemos ver isso principalmente na cidade de New Himuka com seus diversos letreiros virtuais espalhados pra todos os lados.

Talvez a única falha foi não terem explorado melhor a nova geração e aplicado tecnologias atuais como ray tracing para vermos como ficaria.

Aproveitando o tema, o jogo apresenta uma trilha sonora bastante rica e repleto de músicas envolventes e memoráveis. Pode ser que alguma ou outra, você ache familiar com trilhas sonoras de outros jogos como Dark Souls e God Eater – elas são ótimas!

Scarlet Nexus

Conclusão de Scarlet Nexus

Scarlet Nexus é uma nova IP da Bandai que tem tudo para criar um universo ainda mais expandido e rico igual foi com God Eater. Dito isso, aqui temos um jogo muito bom mostrando que o time de criação colocou toda a sua experiência em para trabalhar na hora de desenvolvê-lo. Seja para trazer gráficos melhores, jogabilidade singular e uma narrativa tão rica e imersiva.

A Bandai Namco largou as mesmices que estava envolvida e buscou inovar em seu próprio estilo, acertando em cheio nas suas escolhas. Pode ser que Scarlet Nexus peque em seu target ou não tirar melhor proveito da nova geração, contudo, isso não apaga o seu brilho.

Para os curiosos, o game está tendo um anime sendo lançado semanalmente pela Funimation aqui no Brasil.

Scarlet Nexus

Essa análise de Scarlet Nexus foi feita graças a um código de Playstation 5 cedido pela Bandai Namco e segue nossas diretrizes internas de notas. Clique aqui e confira nosso processo de avaliação.

Scarlet Nexus é o ótimo começo de uma franquia

Visual, ambientação e gráficos - 9
Jogabilidade - 9
Diversão - 9
Áudio e trilha-sonora - 9
Narrativa - 10

9.2

Excelente

Scarlet Nexus chegou de mansinho e sem elevar expectativas, porém, foi uma baita surpresa ao trazer um jogo com bons gráficos, gameplay dinâmico/intenso e uma narrativa profunda.

User Rating: Be the first one !

Anderson Mussulino

Publicitário louco por toda a cultura geek. Redator do Última Ficha e apaixonado por jogos que vem da terra do sol nascente.
Botão Voltar ao topo